Como as empresas vêem a prática de profissional manter duas carreiras?

Se a escolha pela carreira paralela não interferir no horário de trabalho, empresas enxergam prática de maneira positiva

SÃO PAULO – Além das oito horas diárias de trabalho em uma empresa, de segunda a sexta-feira, sem contar as horas extras, alguns profissionais ainda usam o período da manhã, da noite ou os finais de semana para exercer outra profissão. As tarefas “extras”, porém, podem vir junto a um maior cansaço e queda de desempenho. Mesmo assim, as empresas não condenam a prática.

“Se a escolha pela dupla carreira, ou paralela, como também é chamada, não interferir no horário de trabalho, as empresas vêem com bons olhos, porque é uma forma de o profissional mostrar que está em busca de conhecimento e está se atualizando”, disse o gerente de RH (Recursos Humanos) e Projetos do Grupo Soma, Celso Eduardo da Silva.

Mas nem todas enxergam de maneira positiva a dupla carreira. De acordo com o gerente, algumas empresas querem foco dos funcionários. Neste caso, o profissional só deve aceitar a “exclusividade” se houver um plano de carreira destinado para ele dentro da companhia.

Tempo

PUBLICIDADE

Imagine sair do trabalho cansado e ainda ter de lidar com mais uma jornada. Quando se renderá a uma merecida noite de sono? Para que isso não aconteça, é necessário ser muito regrado e responsável, para que não comprometa seu rendimento, e sua saúde, com as duas atividades.

Por isso, antes de escolher por uma segunda carreira, é melhor pensar em um fator de grande relevância: tempo. O primeiro ponto a analisar é que quem tem duas carreiras, se estiver comprometido com uma empresa em determinado horário, deve cumpri-lo. A segunda profissão deve ser executada fora do horário de trabalho da companhia.

Para quem é independente, uma dica para gerenciar o tempo é fazer um cronograma e um plano de ações. “É a melhor ferramenta para obter resultados. Quando negociar com o cliente, defina a carga horária que será destinada para ele e o projeto, bem como quais serão os horários e dias da semana que usará para cumprir a função”, explicou.

Por que outra carreira?

De acordo com o gerente, o primeiro motivo para os profissionais procurarem outra carreira é a busca por conhecimento e por novas gestões. Em seguida, está a condição financeira, já que uma outra atividade traz mais rendimento, e o desafio. “Os profissionais que surgem agora são muito ativos e não conseguem ficar em uma empresa só. Se a companhia não dá novos desafios, eles procuram outras oportunidades”.

Para quem está em busca de outra carreira, Silva indica que, para facilitar, procure fazer algo que já esteja relacionado com a área de atuação, como pessoas que ministram aulas além de trabalharem como funcionários de empresas. Outra alternativa é fazer do lazer uma segunda profissão. Neste caso, o profissional já contava com um tempo disponível para a atividade e somente transformou-a em fonte de renda.

Mas manter duas carreiras prejudicando o desempenho em ambas as atividades pode ser uma atitude equivocada. “Quando uma delas melhor satisfizer o profissional, escolha por ela, nem que dê menos dinheiro. Agindo com motivação, os resultados financeiros são conseqüência”, afirmou Silva.