São Paulo

Comércio varejista registra 1 milhão de postos de trabalho em agosto

O saldo de empregados, que considera o número total de admissões menos o volume de desligamentos, no comércio foi de 7.911 no período

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Um levantamento divulgado pela Fecomercio-SP revelou que em agosto o comércio varejista de São Paulo atingiu a marca de 1.006.282 de empregos com carteira assinada. Frente ao mesmo mês do ano passado, houve um aumento de 1,4%.

De acordo com o estudo que é baseado nos dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e Emprego, o saldo de empregados, que considera o número total de admissões menos o volume de desligamentos, no comércio foi de 7.911, com 50.207 admitidos e 42.296 demitidos. Comparando com o mês de julho (que registrou saldo de 788 empregados), houve geração de 7.123 empregos.

Na análise dos segmentos, os supermercados (alimentos e bebidas) e as lojas de vestuário, tecidos e calçados mantiveram a liderança na geração de novas vagas, com 23.841 admissões e 19.294 demissões. O saldo positivo de 4.547 empregados representa praticamente a metade do total registrado por todo o comércio varejista da região metropolitana de São Paulo.

Aprenda a investir na bolsa

Otimismo
Para a FecomercioSP, o resultado reflete a retomada de confiança dos consumidores e dos empresários verificada no segundo semestre deste ano. “Mesmo com a economia caminhando em ritmo lento, há investimentos na contratação de mão de obra.”

Somado a isso, a entidade explica que a alta no saldo de empregos em agosto também é justificada pela diminuição da inflação, principalmente com as sucessivas quedas de preços dos produtos alimentícios, que representam grande participação nos orçamentos das famílias.

A FecomercioSP aponta ainda que, aos poucos, o consumidor vem recuperando a disposição em consumir bens e serviços, inspirando também mais confiança nos empresários quanto ao rumo de seus negócios. Isso também se reflete no comportamento dos trabalhadores, que por se sentirem mais seguros em seus empregos, enxergam um bom futuro com a manutenção de suas rendas.