Com mais de 298 mil vagas, emprego formal registra em maio recorde para o mês

Frente a abril, quando o Caged registrou saldo de 305.068 empregos, houve queda de 2,30% no estoque de assalariados

SÃO PAULO – No Brasil, foram geradas 298.041 vagas de trabalho no quinto mês de 2010, de acordo com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados nesta segunda-feira (21). O resultado é recorde para o mês de maio.

Frente a abril, quando o Caged registrou saldo de 305.068 postos de trabalho, houve queda de 2,30% no estoque de empregos formais.

No acumulado do ano, os empregos criados já superaram a marca de um milhão, chegando a 1.260.368 postos de trabalho, também batendo o recorde para o período. Em 12 meses, com a criação de 2.075.467 postos de trabalho, houve incremento de 6,45% frente aos 12 meses anteriores.

PUBLICIDADE

Crescimento setorial
Na análise mensal, todos os oito setores de atividades econômicas analisados apresentaram crescimento na geração de empregos formais no mês passado. Em números absolutos, o destaque ficou com Serviços, com 86.104 vagas de trabalho. Porém, a maior variação percentual ficou com Agricultura, que registrou alta de 4,1% no número de vagas (+62.247 postos).

Outro destaque do período foi a Indústria de Transformação, que apresentou acréscimo de 62.220 postos de trabalho (+0,81%). O Comércio foi o quarto setor que mais gerou emprego no mês, ao responder por 43.465 postos de trabalho (+0,58%).

Os demais setores também apresentaram aumentos no número de vagas de trabalho em maio: em Indústria Extrativa Mineral, houve alta de 1,1% no número de empregados (+1.959 vagas), em Serviços Industriais de Utilidade Pública, de 0,27% (+958 vagas), enquanto Administração Pública avançou 0,26% (2.006 postos) e Construção civil, 1,61%, com 39.082 vagas.

Análise regional
Ainda segundo os dados do Caged, na análise regional, houve saldo positivo do emprego em 25 das 27 unidades federativas. Por outro lado, Amapá e Roraima apresentam as quedas mais acentuadas em maio, de 0,28% e 0,34%, na ordem. Nestes estados, o saldo de empregos ficou negativo em 160 vagas e 117 vagas, respectivamente.

Quanto ao aumento do número de vagas criadas, destacam-se São Paulo (+98.624 ou 0,89% de expansão), Minas Gerais (+60.873 vagas ou 1,12%) e Rio de Janeiro (+22.250 ou 0,70%).

Considerando as regiões, todas apresentaram elevação no emprego formal, com saldos recordes nas Regiões Nordeste (+45.827 postos ou +0,89%), Sul (+34.080 postos ou +0,55%) e Norte (+11.959 vagas ou +0,83%), enquanto no Sudeste a alta foi de 1,02% (+189.501) e o Centro-Oeste registrou crescimento de 0,66% (+16.674 vagas).