Com crise global, veja como fica a situação para quem trabalha no agronegócio

Mercado se mantém aquecido, principalmente para diretores de marketing; gerentes de produtos; de vendas; e controllers

SÃO PAULO – Todos os dias, saem matérias nos diários e sites citando as dificuldades que estão passando as empresas do setor do agronegócio. Falta crédito, dizem uns. Exportação deve cair, dizem outros.

De fato, muitas empresas estão sendo ou serão atingidas pela crise, mas o headhunter e diretor da Abrahams e Associates, Jeffrey Abrahams, garante que depende do setor, e que isso não significa demissão em massa.

Pelo contrário, estão em andamento processos de contratação, diz ele. “A agricultura brasileira é competitiva, mas precisa de profissionais competentes para gerir a crise. E as exportações não devem sofrer muito, pois todo mundo, de todos os países, precisa comer; e precisa do algodão para as roupas”, explica.

Mercado aquecido

PUBLICIDADE

Para ele, a despeito das manchetes um tanto negativas sobre o setor, o mercado está aquecido. “Principalmente para diretores de marketing; gerentes de produtos; de vendas; e controllers, para medir os riscos e captar dinheiro bom no mercado”, diz.

Abrahams opina que, nas crises, sobrevivem e se destacam os melhores profissionais. “Separa-se o joio do trigo”, analisa. Portanto, a dica que dá aos profissionais é que trabalhem muito, segurem as despesas da empresa e vendam a preços bons, otimizando o lucro.

“Utilize a sua capacidade analítica e se municie com a maior quantidade possível de informações, antes de tomar qualquer decisão, para que esta seja fundamentada. O plano estratégico deve ser mais acurado. A vida continua, mas com um pouco mais de preocupação”, finaliza o headhunter.