AO VIVO Do Zero Ao Gain: André Moraes fala sobre teoria de Dow, conceito de tendência e médias móveis

Do Zero Ao Gain: André Moraes fala sobre teoria de Dow, conceito de tendência e médias móveis

CNI/Ibope: 44% acham que renda pessoal não vai mudar nos próximos 6 meses

Segundo o levantamento, outros 38% crêem que ela vai aumentar e 14% disseram que ela vai diminuir no período

SÃO PAULO – De acordo com a pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quarta-feira (12), 44% dos brasileiros acham que sua renda pessoal não vai mudar nos próximos seis meses, levando em conta a situação do País.

Segundo o levantamento realizado com 2.002 pessoas entre os dias 30 de novembro e 5 de dezembro, outros 38% crêem que a renda pessoal vai aumentar. Já os que disseram que ela vai diminuir somaram 14%.

Renda geral

Considerando a renda geral, 43% dos entrevistados disseram que ela não vai se alterar nos próximos seis meses, contra 30% que pensam que ela vai aumentar e 23% que acreditam que ela irá diminuir.

PUBLICIDADE

Na sondagem anterior, realizada em setembro deste ano, 38% das pessoas apontaram que a renda geral permaneceria igual nos próximos seis meses, 31% afirmaram que ela cresceria e 26% declararam que ela ficaria menor.

Aumento do desemprego

Ainda de acordo com a pesquisa, 46% dos brasileiros crêem que o desemprego vai aumentar nos próximos seis meses, o que aponta uma queda de 6 pontos percentuais frente à sondagem realizada no nono mês de 2007.

Por outro lado, o percentual de pessoas que acreditam que o desemprego vai diminuir aumentou de 26% para 28% no período em questão. Já o dos que pensam que a situação não vai mudar subiu de 19% em setembro para 23% este mês.

Vida melhorou

Nos últimos dois anos, 50% da população disseram que a vida melhorou, contra 37% que afirmaram que ela está igual e 12% que apontaram que ela piorou.

Entre os que disseram que a vida melhorou nos últimos dois anos, os destaques ficaram com as pessoas de 16 a 24 anos (61%), da Região Norte/Centro-Oeste (59%) e com renda acima de 10 salários mínimos (57%).

Por outro lado, apontaram que a vida piorou nos últimos dois anos 16% dos brasileiros acima de 40 anos; 20% dos da Região Sul; e 18% dos que recebem até um salário mínimo.