CNI e Ministério do trabalho vão qualificar 10 mil desempregados

Senai deve atingir a meta dentro de quatro anos; baixa renda, jovens e profissionais com mais de 40 anos serão priorizados

SÃO PAULO – Dados do Ministério do Trabalho mostram que 60% das pessoas que passam pelo Sistema Nacional de Emprego (Sine) não são aproveitadas pelo mercado de trabalho. A razão é uma só: falta de qualificação profissional. Em muitos casos, o problema central não é a existência de vagas, mas sim de pessoal gabaritado.

Visando mudar esta situação, o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, e o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto, assinaram um acordo para a qualificação profissional de pessoas desempregadas.

Convênio

Pelo convênio, o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) vai qualificar, em quatro anos, 10 mil pessoas em cursos como mecânica, manutenção e eletro-eletrônica. A experiência piloto será nos estados do Acre, Minas Gerais, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

PUBLICIDADE

O programa priorizará aqueles que encontram grandes dificuldades de inserção no mercado de trabalho: pessoas com renda familiar de até meio salário mínimo, entre 16 e 24 anos de idade ou acima de 40. Mulheres, chefes de famílias, portadores de deficiência e jovens aprendizes também terão preferência.

Cenário atual

Como a economia brasileira está em expansão, a capacitação profissional é fundamental neste momento. Com os cursos do Senai, além de terem certeza da colocação no mercado de trabalho, os jovens terão mais uma alternativa de emprego, conforme assegura o ministro.

O presidente da CNI lembrou tambem que as empresas, nesse novo cenário mundial, não atuam mais apenas no campo econômico, mas também na área social e de defesa do meio ambiente. Atualmente, além de realizar negócios mais transparentes, elas colaboram nos campos educacionais, previdenciários, da saúde, entre outros.