CNI: ano começa com forte expansão na atividade industrial brasileira

Em janeiro, todos os indicadores do setor registraram desempenho positivo em relação ao mesmo mês de 2007

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgou nesta terça-feira (11) boletim mostrando que o ano começou com a intensificação do ritmo de expansão da atividade industrial brasileira.

Em janeiro, todos os indicadores do setor registraram desempenho positivo em relação ao mesmo mês de 2007. Além disso, as taxas anuais de crescimento, que comparam com o mesmo mês do ano anterior, foram as mais altas dos últimos três anos.

A regularidade no crescimento é marcante na atividade industrial. O faturamento da indústria cresce há seis meses consecutivos, em termos dessazonalizados, enquanto as horas trabalhadas apresentam tendência de expansão há mais de um ano e o emprego não registra variação negativa há 26 meses.

Forte expansão em janeiro

Aprenda a investir na bolsa

O faturamento real da indústria cresceu 10,5% em relação a janeiro do ano passado, a maior expansão nessa comparação desde agosto de 2004. Em relação a dezembro de 2007, houve uma queda de 3,3%. Embora seja tradicional um recuo neste período do ano, a baixa foi menor que a registrada em anos anteriores.

O crescimento de janeiro foi puxado por seis setores, sendo que a maior contribuição veio dos veículos automotores (31,6%). Os outros cinco que tiveram um crescimento acima da média foram: outros equipamentos de transporte (27,6%), máquinas e equipamentos (25,1%), vestuário (22,3%), minerais não-metálicos (15,8%) e produtos de metal (15,4%).

O mercado de trabalhou acompanhou o dinamismo da produção. O emprego industrial de janeiro apresentou expansão de 5,2% em relação ao mesmo mês do ano passado e contribuiu para aumentar a massa de salários em 7,5% nessa mesma comparação.

Neste cenário de forte expansão, destaca-se a estabilidade do nível de utilização da capacidade instalada, que estabilizou-se próximo ao patamar de 83% nos últimos cinco meses. Já as horas trabalhadas na produção em janeiro deste ano cresceram 7% em comparação ao mesmo mês de 2007.