Invista em você

Cinco passos para construir uma marca pessoal

A construção de uma marca pessoal forte, por exemplo, pode ser fundamental para os seus próximos passos na carreira

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Estar desempregado é uma situação bastante preocupante. Se desesperar, no entanto, só dificulta as coisas. A atitude correta nesses casos é investir naquilo que pode render bons frutos para o seu futuro profissional. A construção de uma marca pessoal forte, por exemplo, pode ser fundamental para os seus próximos passos na carreira.

Confira a seguir 5 passos simples que vão guiar você durante a construção da sua marca pessoal:

1. Acredite no seu valor: se você não está convencido do seu próprio valor profissional, como espera se vender como um candidato confiante e capaz? Pare de se diminuir, entenda que você tem ótimas qualidades.

PUBLICIDADE

2. Conscientize-se da apresentação nas redes sociais: uma das maiores sabotagens na construção da marca pessoal é o seu conteúdo nas redes sociais. Talvez você não acredite, mas recrutadores e gerentes de RH olham os seus perfis. E a sua contratação depende do que estiver disponível neles.

3. Vá aos eventos de networking com objetivos: eventos de networking são, em geral, uma feira de oportunidades profissionais. Ainda mais se você está desempregado. Portanto, não perca essa oportunidade. Contudo, para que seus contatos sejam feitos de maneira eficiente é fundamental que você saiba o que quer com eles. Só assim você poderá decidir como vai se apresentar, se comunicar e até mesmo quem você deve deixar de lado.

4. Dê valor aos outros: quando se está desempregado é compreensível que você esteja preocupado em ressaltar as suas qualidades. No entanto, será melhor para as suas chances se você sair do centro das atenções e aprender a valorizar as outras pessoas. Mostre que você sabe reconhecer pontos positivos em outras pessoas.

5. Saiba quando desistir: é claro que você deve acompanhar os seus contatos profissionais e as suas oportunidades de emprego. Mas se um recrutador disse que entraria em contato e, mesmo após 17 e-mails e 12 ligações ele não deu sinal de vida, talvez seja hora de buscar outras possibilidades. Saiba quando é hora de se retirar.

Veja mais matérias de Carreiras no Universia