Ciências Contábeis: você está mesmo preparado para ser um contador?

Profissão vai além dos registros de débitos e créditos e elaboração de demonstrativos financeiros

SÃO PAULO – Qualquer empresa, não importa o tamanho ou a área em que atua, é obrigada, por lei, a contratar os serviços de um contador. Para este profissional, portanto, trabalho não falta. Como qualquer outra profissão, a disputa no mercado é grande e quem não souber se diferenciar pode acabar ficando para trás.

Portanto, saiba o que mudou no mercado para os contadores nos últimos anos, e fique por dentro da atualidade, isto é, saiba o que o profissional de hoje enfrenta para garantir o seu lugar ao sol. O espaço, sem dúvidas, é grande.

Mais que técnicos

Cuidar do pagamento de contas (impostos, contribuições, salários etc) e dos recebimentos da empresa, escriturar livros fiscais e produzir os demonstrativos financeiros são algumas das atividades dos profissionais do curso de ciências contábeis. Mas atualmente existem no mercado muitos técnicos em contabilidade, que cobram salários menores, e podem desempenhar tais funções tão bem quanto um bacharel.

PUBLICIDADE

Portanto, aqui vai a primeira dica: para sobreviver no mercado e garantir uma posição de sucesso, seja como empregado ou como prestador de serviço, dono de seu próprio escritório, é importante ter a aptidão, ou seja, saber fazer algo que o diferencie dos demais.

O planejamento tributário está em voga no momento, e o profissional da área deve estar atento à demanda nas empresas. A elevada carga tributária brasileira, sobretudo em relação aos pequenos negócios, é capaz de prejudicar a noite de sono de muitos empresários.

Por esta razão, colocar na mão de um contador o planejamento tributário, de forma a escolher o melhor regime fiscal, a melhor maneira de reduzir impostos e de receber incentivos fiscais, por exemplo, é ter a chance de salvar o caixa da empresa, ouvindo de quem DEVE entender do assunto, a melhor solução para o caso.

O mesmo acontece com as mudanças na legislação, como a nova Lei de Falências e o novo Código Civil, alterações que envolvem muita burocracia e exigem tempo disponível. E como administradores já estão ocupados demais com outras questões, recorrer ao auxílio do profissional é o mais coerente. E é neste mercado, carente de assessoramento, que o profissional deve ficar de olho.

Alcançada pelo fenômeno da terceirização, a contabilidade permite que seus profissionais atuem em empresas como empregados ou como consultores ou prestadores de serviços. A disputa no mercado é bem parecida em todas as situações.

Terceirização aumentou procura por profissionais

Com o aumento da terceirização em categorias profissionais, a demanda pela abertura de pequenos negócios também cresceu, e, por conseqüência, a busca por contador caminhou na mesma direção. O contador ganhou muito com o avanço tecnológico que permitiu a informatização de muitos processos que antes ocupavam estes profissionais.

Ao contador cabe a procura pela solução e o planejamento estratégico. A área de controladoria também está em evidência, sobretudo para quem tem formação em planejamento tributário e financeiro.

Graduação e Especialização

O primeiro dos quatro anos do curso é ocupado com as disciplinas básicas, como sociologia, português, economia e administração. Em seguida vêm as disciplinas técnicas e gerenciais, como teoria da contabilidade, planejamento e contabilidade financeira. Há também aulas de legislação comercial, direito e planejamento tributário.

A especialização do profissional envolve muita leitura e conseqüente dedicação. Jornais, livros, legislação e cursos de atualização são apenas alguns dos “pré-requisitos” dos bons profissionais.

Cursos de MBA (Master in Business Administration) são muito procurados por contabilistas, que embora não sejam propriamente os gestores de sua empresa, devem se preocupar em conhecer mais a dinâmica dos negócios e ter uma visão integrada da organização.

E, além das noções sólidas de finanças, economia e gestão, é fundamental também a integração com ciências humanas, ética e responsabilidade social.