AO VIVO Radar InfoMoney: Klabin tem aval para incorporar Sogemar, leilão da Oi e desemprego recorde; assista ao programa desta 6ª

Radar InfoMoney: Klabin tem aval para incorporar Sogemar, leilão da Oi e desemprego recorde; assista ao programa desta 6ª

estudo

CFOs brasileiros são os mais confiantes com economia e desempenho da empresa

Questionados sobre o crescimento da economia de seu país e do desempenho da empresa em 2014, mais de 90% dos executivos brasileiros demostraram confianças

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os CFOs (diretores financeiros) brasileiros continuam como os mais otimistas do mundo tanto em relação à economia do País quanto no desempenho de suas empresas para 2014, informou o estudo global da Robert Half, realizado com 2.075 diretores financeiros de 14 nacionalidades.

Questionados sobre o crescimento da economia de seu país de origem, 92% dos executivos brasileiros demostraram confianças. Desses, 46% disseram estar muito confiantes. Já sobre o desempenho das empresas em que trabalham, 94% afirmaram estar otimistas, sendo que 50% das respostas foram para “muito confiantes”. No levantamento do início do ano, o índice total de confiança foi de 96%.

Na avaliação do gerente sênior das Divisões de Finanças e Contabilidade e Mercado Financeiro da Robert Half, Fábio Saad, os resultados mostram que o Brasil ainda é visto como um País favorável para investimentos, apesar das instabilidades econômicas mundiais. “Mesmo com um ritmo mais lento, a economia nacional ainda apresenta crescimento. Isso faz com que as organizações brasileiras ou estrangeiras continuem apostando e investindo aqui”, conclui.

Aprenda a investir na bolsa

Global
As médias globais ficaram bem abaixo das brasileiras, com 74% dos CFOs de confiantes no crescimento das economias para o próximo ano, sendo 19% muito confiante e 55% confiante. Em relação ao desempenho das empresas, 83% dos executivos estão otimistas.

Atrás dos CFOs brasileiros, os alemães, suíços e chineses também se mostraram confiantes, com 88%, 84% e 85%, respectivamente. Na outra ponta estão os executivos da França, com 55% que disseram não estar confiantes, da Bélgica, 34%, e da Itália, com 32% do CFOs pesquisados.