Dinheiro extra

Cerca de 80 milhões de pessoas devem receber décimo terceiro salário

De acordo com o Dieese, o valor médio do benefício será de R$ 1.926, considerando todas as regiões do País

SÃO PAULO – Cerca de 80 milhões de pessoas devem ser beneficiadas com o décimo terceiro salário este ano. De acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), quase R$ 131 bilhões* devem ser injetados na economia brasileira por conta da bonificação. O valor médio do benefício foi estimado em R$ 1.926.

Os cálculos foram divulgados pela instituição nesta segunda-feira (21), com base nos dados da Rais (Relação Anual de Informações Sociais), do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), da Pnad 2009 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) e informações do Ministério da Previdência e Assistência Social.

Trabalhadores formais recebem maior parcela
Segundo o estudo, os trabalhadores do mercado formal receberão, em média, R$ 2.140,25, sendo que os trabalhadores domésticos com carteira assinada receberão um montante médio estimado em R$ 779,30. Já o benefício médio dos aposentados e pensionistas deve ficar em R$ 1.287,38.

PUBLICIDADE

Considerando as localidades, Brasília receberá o maior valor médio (considerando todas as categorias de beneficiados): R$ 3.171. Por outro lado, o décimo terceiro salário médio mais baixo ficará com o estado do Piauí, R$ 1.010.

Sudeste concentra grande parte dos beneficiados
De maneira geral, o total de pessoas com direito a receber o décimo terceiro salário este ano é 2,5% maior que o número de 2011.

A maioria dos trabalhadores, aposentados, pensionistas e trabalhadores domésticos se concentram nos estados do Sudeste, que deve receber 51,1% dos recursos. Em seguida aparecem a região Sul (15,5%), Nordeste (15,3%), Centro-Oeste (8,5%) e Norte (4,9%).

São Paulo
O levantamento revela também o impacto do 13º salário na economia de São Paulo. Segundo os dados, no estado paulista devem ser injetados R$ 39,4 milhões, aproximadamente 30% do total do Brasil e 58,7% da região Sudeste.

* Os valores foram estimados com base no INSS de setembro e, para assalariados, o rendimento foi atualizado pela variação do INPC acumulado em doze meses terminados em agosto de 2012.