MERCADOS AO VIVO Ação da incorporadora Cury (CURY3) estreia na B3 em queda

Ação da incorporadora Cury (CURY3) estreia na B3 em queda

Casais: emprego em concorrente exige cuidado com carreira e relação

Segundo especialista, profissionais terão de provar mais que os colegas que são competentes, responsáveis e éticos

SÃO PAULO – Casais que trabalham em empresas concorrentes devem ter cuidado redobrado com as atitudes, para preservar tanto a carreira como o relacionamento, segundo alertam especialistas.

De acordo com a consultora sênior de Carreiras da Catho Consultoria em RH, Márcia Vazquez, quanto maior o destaque do cargo e o acesso a informações confidenciais, maior a atenção.

“Casos assim ocorrem com mais frequência do que se imagina, e, na maior parte das vezes, o emprego e o relacionamento correm riscos”, diz ela.

PUBLICIDADE

Na empresa
Segundo a consultora em Recursos Humanos do Grupo Soma Desenvolvimento Corporativo, Jane Souza, quem tem um companheiro (a) trabalhando em uma empresa concorrente, sobretudo em áreas não operacionais, pode sofrer algumas restrições no ambiente de trabalho, como enfrentar dificuldades para conseguir uma promoção.

Além disso, completa Márcia, os profissionais terão de provar mais do que os colegas que são competentes, responsáveis e éticos, pois terão de lidar continuamente com a sensação de desconfiança vinda da parte dos colegas e líderes.

Apesar disso, alertam as duas, em nenhuma hipótese deve-se omitir a situação para a chefia, visto que, no mundo corporativo, as pessoas se conhecem e a empresa certamente terá acesso a tal informação.

“É preciso transparência. A pessoa sempre deve contar, mesmo que esteja participando de um processo seletivo. De qualquer modo, ela deve deixar claro que pretende trabalhar com o máximo de sigilo e estar preparada para demonstrar uma seriedade maior do que o habitualmente exigido”, diz Márcia.

Em casa
No que diz respeito ao relacionamento com o parceiro (a), o casal deve atentar para não passar a competir.

“A situação exige muito equilíbrio emocional dos envolvidos, pois perde-se na troca de experiências e o casal pode começar a competir”, avalia Márcia.

Jane concorda e completa: “Será um teste diário de confiança. Pode ajudar combinar não conversar nada de trabalho em casa, porém, se a posição for estratégica, vale sentar e pensar com o parceiro se não é melhor para o relacionamento e para a carreira de ambos que um dos dois mude de área”.