Carreiras: 28% da renda dos profissionais corresponde a benefícios

Segundo o <i>Hay Group</i>, o salário-base representa 65% do total e os bônus e/ou participação nos lucros e resultados, 7%

SÃO PAULO – De acordo com a Pesquisa de Remuneração divulgada na última semana pelo Hay Group, 28% da remuneração dos profissionais brasileiros corresponde aos benefícios concedidos pelas empresas.

Já o salário-base representa 65% do total e os bônus e/ou participação nos lucros e resultados somam 7% da remuneração total.

Percentuais variam de acordo com o cargo

Entre as pessoas que ocupam cargos de gerência, os benefícios correspondem a 19% da remuneração, sendo que o salário-base é responsável por 67% e os bônus/PLR, por 13%.

PUBLICIDADE

Já para os funcionários da alta gerência, os percentuais correspondentes aos benefícios e bônus/PLR é o mesmo: 19%. O salário-base, por sua vez, representa 62%.

Ainda segundo o estudo, a remuneração dos diretores é composta de quatro itens: salário-base (55%), bônus/PLR (22%), benefícios (17%) e Incentivos de Longo Prazo (6%).

Brasil X mundo

Conforme divulgou o Hay Group, em um pagamento a curto prazo (salário + bônus), o Brasil está entre os países que melhor remuneram seus presidentes de empresas, ao lado da Itália, Espanha, Grécia e Alemanha.

Considerando todos os níveis hierárquicos das empresas, o levantamento aponta que as companhias brasileiras concedem aumentos acima da inflação, mas têm pouca mobilidade para alterar o valor do salário e do pagamento total, por conta da legislação trabalhista.

Além disso, o fato de o crescimento da economia brasileira não ser tão acelerado quanto o dos países emergentes, cujos aumentos de salário chegam a 9% acima da inflação, faz com que os reajustes não sejam tão altos.