Carreira profissional pode ser separada por etapas; veja quais são elas!

Vida profissional começa com a escolha do curso; profissional cresce na empresa e chega a aposentadoria

SÃO PAULO – Na carreira, as pessoas passam por várias etapas. A primeira delas, de acordo com o headhunter da Case Consultores, Ricardo Nogueira, é a escolha do curso que será feito na faculdade. Se, no passado, a atividade profissional era passada por gerações, agora as pessoas têm liberdade de escolha, embora algumas famílias ainda determinem a profissão dos mais novos.

Para quem pode escolher, o headhunter orienta que olhe as profissões do futuro. “Um exemplo são os engenheiros especialistas para trabalhar em plataformas de petróleo. Eles possuem um grande mercado. Outra profissional em alta é aquele ligado à internet, ao comércio eletrônico e ao internet banking”, disse.

Depois dessa etapa, o futuro profissional deve buscar boas faculdades e, durante ela, empresas júniores, para colocar em prática o que aprendeu. Muitas pessoas trabalham e fazem faculdade ao mesmo tempo, mas a dica é que a empresa seja do mesmo segmento. O estágio e o trainee são caminhos para uma possível efetivação e garantia de emprego depois da formatura.

Talento e iniciativa

PUBLICIDADE

Com essas duas características, os profissionais em início de carreira conseguem passar para a próxima etapa. “O talento e a iniciativa são os divisores de água para que a empresa veja o estagiário ou o trainee como um diamante bruto, que precisa ser lapidado”. Para Nogueira, o talento é aquela pessoa que entrega tudo além do esperado, com melhor qualidade e prazo menor.

Ele ainda é aquela pessoa que dispara conhecimento sem precisar fazer barulho ou aparecer. Gestores e colegas sempre pedem sua ajuda e conseguem resolver problemas. Depois de contratado como funcionário da empresa, existe um caminho a ser seguido, uma estrutura nas empresas. Veja abaixo:

  • Analista: apenas executa a atividade. Dividido em júnior, pleno e sênior, sendo cada um desses níveis subdivididos em cinco work levels;
  • Coordenador/supervisor: tem responsabilidades na gestão de pessoas dentro da empresa;
  • Gerente: enquanto os estagiários seguem o caminho descrito acima, o trainee pode logo pular para esta etapa. Ele é responsável por uma área da empresa e tem as divisões júnior, sênior e gerente-diretor;
  • Diretor: já participa de reuniões importantes com o presidente e é responsável pelas filiais;
  • Presidente: é responsável pela tomada de decisões importantes.

De acordo com Nogueira, poucos chegam à posição de presidentes. “Essa estrutura é a mesma nas empresas, alguns profissionais pulam as etapas por mérito e a nomenclatura pode mudar”, disse.

Carreira esfriando

Isso pode acontecer porque o profissional não atingiu aquilo que desejava. Ele se frustra e se desmotiva, seja por falta de empatia com o grupo da empresa, seja porque não se especializou ou não acompanhou o mercado. “Eu culpo o profissional por isto e acho que ele é que deve buscar novos desafios, já que deixou a situação chegar a este ponto”, afirmou o headhunter.

Depois de ter passado por várias empresas ou ter “dado certo” em uma, é hora de se aposentar. O sonho de ir descansar é privilégio daqueles que têm segurança financeira, mas não se enquadra para os workaholics – que ficam depressivos quando param – e para quem precisa de dinheiro. “Alguns profissionais pedem para voltar para a empresa, outros são chamados de novo para trabalhar, alguns são proibidos de sair”.

Dentre aqueles que são chamados para trabalhar, Nogueira cita os do ramo automobilístico, que não tiveram tempo para treinar sucessores.