Carreira: mitos e verdades quando o assunto é talento

Conhecimento em inglês, MBA no exterior, boa faculdade, sorte, emprego em multinacional e bom "padrinho" são garantia para se destacar como talento?

SÃO PAULO – Diante do mercado de trabalho competitivo e da vontade de garantir grandes conquistas na carreira, é natural que todos os profissionais queiram ser vistos como talentos em sua área de atuação.

Levando isso em consideração, vale o questionamento: o que é verdade e o que é mito quando o assunto é talento no mundo corporativo? O especialista Manuel Martins, vice-presidente de RH da AES Brasil, destacou alguns aspectos no 1º Congresso Virtual de Recursos Humanos (www.convirh.com.br), realizado neste mês de maio. Confira!

Mitos

  • O conhecimento em inglês, quando se fala em língua estrangeira, é suficiente para o desenvolvimento profissional. O especialista argumenta que um segundo idioma estrangeiro é extremamente bem-vindo e recomendável, sobretudo quando se pensa nos países asiáticos, na Rússia e na Índia.
  • Alguém com MBA no exterior tem sucesso garantido na carreira.
  • Em se tratando de crescimento profissional, tudo depende do acaso e de um bom padrinho.
  • Vence na carreira apenas o indivíduo dotado de sorte.
  • Um bom desempenho numa escola reconhecida indica uma boa carreira, assim como uma boa faculdade garante espaço ao bom profissional.
  • Começando sua trajetória numa multinacional, tudo fica mais fácil na carreira.
  • Quem se destaca pelo seu talento é “grande demais” para começar por baixo numa empresa.
  • A leitura de alguns bons livros garante o conhecimento.
  • Para engenheiros ou outras profissões do gênero, o conhecimento técnico é o único que vale.

Verdades

  • Os talentos são indivíduos capazes de alcançar resultados superiores, em diversas situações. “Conseguem liderar processos de mudança, deixando marcas em tudo o que fazem”.
  • São “rebeldes com causa” e possuem necessidade de quebrar paradigmas. “São capazes de fazer uma leitura de cada situação, visualizando capacidade de mudança e pensando na competitividade da empresa”, define o especialista.
  • A maneira de aprender do talento é sempre rápida e constante. De acordo com Martins, “um talento nunca se considera pronto, está sempre em estágio de aprendizagem”.
  • Ser descoberto como talento requer determinação, esforço, tenacidade e estar no momento certo, no lugar certo.
  • Uma equipe vencedora não é formada apenas por talentos. “Até mesmo no futebol, nem sempre uma equipe de jogadores famosos vence campeonatos”, exemplifica.
  • Não há uma área a ser privilegiada quando se fala em talentos. Isso quer dizer que as empresas devem buscá-los e mantê-los em todos os seus departamentos.

Promessas

Por fim, o especialista destaca que nem sempre o talento se encontra lapidado. “Eles podem vir em estado bruto, precisando de cuidado”, destaca. “É preciso encontrar condições para revelar esses talentos, mas ninguém pode assegurar, no entanto, que essas promessas de talento vão se realizar mesmo no futuro”.

PUBLICIDADE