Carreira: falta de lugar para deixar filhos contribui com discriminação das mulheres

Segundo a OIT, a existência de creches é um fator decisivo para aumentar a participação da força de trabalho feminina

SÃO PAULO – A diminuição, ou ausência, de locais para que as mães deixem seus filhos provoca um aumento na discriminação das mulheres no ambiente de trabalho, revela um estudo divulgado nesta quinta-feira (10) pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Da mesma maneira, o relatório aponta que a existência de creches gratuitas ou a preços acessíveis é um fator decisivo para aumentar a participação da força de trabalho feminina e reter as mães de família no mercado de trabalho.

Exemplos a serem seguidos

Por conta disso, a Organização defende que os Governos, organizações de trabalhadores e instituições internacionais trabalhem para que existam mais postos de trabalho isentos de discriminação, sobretudo às mães.

PUBLICIDADE

Neste sentido, a entidade cita alguns exemplos de auxílio, como o da Finlândia, que permite que os trabalhadores tenham pequenos períodos de ausência do trabalho para cuidar dos filhos menores de dez anos que estejam doentes.

Já na Grécia, algumas empregadas têm direito a duas horas livres e remuneradas por dia durante os dois primeiros anos após o nascimento dos filhos. Depois disso, têm direito a uma hora livre e remunerada por dia, nos dois anos seguintes. Caso as mulheres queiram, podem passar o direito aos pais das crianças.

No Brasil

No Brasil, a OIT também aponta algumas cláusulas previstas em acordos coletivos que beneficiam, sobretudo, as mães trabalhadoras. Um exemplo disso é a diminuição da jornada de trabalho para a mulher grávida.

Há ainda a licença para acompanhar os filhos em questões de saúde e educação, a ampliação do tempo de duração do benefício das creches e a extensão deste direito aos pais.