Capital aberto x fechado: em qual empresa trabalhar?

Dúvida afeta profissionais da geração "Y" e mais experientes, que esperam reconhecimento no curto prazo e oportunidades de crescimento nas organizações

SÃO PAULO – Antes de definir em qual empresa trabalhar, jovens da geração “Y” e profissionais mais experientes compartilham de um dilema: seguir para um organização de capital aberto ou não?

A decisão nunca vem só e costuma ter os mais diversos motivos, principalmente o interesse de tais profissionais em conseguir uma ascensão rápida e promissora dentro de uma empresa.

Contudo, será que optar por uma organização que tenha seus valores mobiliários negociados em bolsa pode propiciar um salto na carreira? Na opinião do sócio-gerente da Asap, consultoria de recrutamento e seleção de executivos de média gerência, Rafael Meneses, a resposta é não.

PUBLICIDADE

Para ele, a escolha da empresa para a qual se prestará serviços dependerá exclusivamente dos objetivos da companhia e do tipo de perfil que ela deseja contratar. “Temos clientes de capital fechado, por exemplo, que buscam profissionais muito mais agressivos que os normalmente contratados pelas demais empresas”, completa Meneses.

Equívoco entre os jovens
O sócio da Asap vai além e explica ainda que atuar em empresa de capital aberto nem sempre é uma garantia de que melhores oportunidades estão por vir. “Os jovens da geração “Y” anseiam um crescimento rápido e acham que, ao entrar em uma empresa deste porte, terão uma carreira internacional do dia para a noite. Isto é um equívoco enorme, afinal, tudo demanda tempo”, explica.

Na mira da concorrência
Ao que consta, um dos grandes privilégios de se estar em uma empresa cujas ações são negociadas na bolsa de valores diz respeito à visibilidade alcançada pelo profissional, que passa a ser observado por outros investidores do segmento e pode, com isso, ter seu networking ampliado.

Exigência em primeiro lugar
Outra vantagem prevista para os funcionários de tais empresas costuma girar em torno da gestão empresarial. Afinal, para atender às exigências da CVM (Comissão de Valores Imobiliários), que regula e fiscaliza as companhias de capital aberto, muito precisa ser feito. Desta forma, sair fora do ‘compasso’ fica mais complicado do que se possa imaginar em termos de contrato.

“Estas empresas são obrigadas a atender um nível de governança corporativa bastante restrito e, por estarem sujeitas a uma fiscalização mais intensa, também não deixam a desejar, quando o assunto é a contratação e atuação de seus colaboradores e funcionários”, avalia o executive coach e sócio da Phoenix Consultoria, empresa especializada em recrutamento e seleção de executivos, Ricardo Porto.

Para ele, quanto mais aumenta a exigência, mais são as responsabilidades e cobranças impostas aos contratados. “De qualquer maneira, acredito que a decisão de se trabalhar em uma ou outra empresa deva ser motivada pelos valores e pela cultura de uma organização e não por outras razões”, avalia Porto.

PUBLICIDADE

Menores são melhores
O executive coach recomenda ainda que aqueles que estiverem iniciando sua carreira apostem em empresas menores – já que nestas companhias a atuação dos profissionais costuma ser mais abrangente.

“Trabalhar em uma empresa de menor porte pode ser mais promissor e trazer um aprendizado superior aos que estão começando, já que elas possibilitam um maior envolvimento do profissional em diversos aspectos da gestão”, explica Porto, que avalia como segmentado o grau de atuação dos profissionais nas companhias de grande porte.