Brasileiros esbarram no inglês na hora de trabalharem em navios

profissionais sabem da importância do conhecimento na língua, mas é quando vêem grandes oportunidades procuram ajuda

SÃO PAULO – Os brasileiros que buscam oportunidades em navios estrangeiros e até mesmo em embarcações nacionais com destinos internacionais estão encontrando dificuldades em preencher as vagas de trabalho por uma razão: a falta do inglês.

De acordo com a diretora Acadêmica da Alumni, centro Binacional Brasil/Estados Unidos, Silvia Corrêa, os brasileiros sabem da importância do conhecimento na língua estrangeira, mas é quando se deparam com grandes oportunidades de crescimento que procuram ajuda.

Segundo dados da Abremar (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos), as viagens em cruzeiros cresceram 600% em dez anos.Os dados mostram uma expansão no mercado de trabalho para brasileiros em alto mar, pois, além dos destinos nacionais, 25% dos tripulantes em viagens internacionais, de navios que atracam no País, são brasileiros.

PUBLICIDADE

Oportunidades
As opções para trabalhar em um navio são grandes, já que são procurados profissionais especializados ou mesmo sem formação, mas com alguma experiência na área.

Nutricionistas, médicos, fisioterapeutas, personal trainers, recreadores, barman, camareiras, assistentes e garçons são as posições mais demandadas pelas empresas do segmento marítimo. 

De acordo com Silvia, todas elas pedem inglês fluente, mas algumas também requerem conhecimento em outras línguas, principalmente para viagens internacionais. Os salários variam entre US$ 1.500 e US$ 4.000.

A orientação da diretora da Alumni é para que os profissionais se dediquem por, pelo menos, dois anos no ensino do inglês. Em conjunto, eles também podem buscar um emprego em outros países.

Mercado de trabalho
Na temporada passada, foram geradas mais de 40 mil vagas de trabalho entre diretos e indiretos, segundo a Abremar. E a expectativa neste ano é que o número seja maior.

Nos navios, foram criados quase 4 mil empregos e, nos portos, outros 530. Mas as oportunidades também aparecem nas áreas de transporte, serviços turísticos, souvenirs, comércio, bares e restaurantes.

De acordo com a associação, a cada US$ 7 mil deixados no País, um novo posto de trabalho é aberto. Contudo, na avaliação da associação, o Brasil emprega apenas 2% da sua força de trabalho, enquanto a França, por exemplo, emprega 25%.