Brasil gera mais de 140 mil postos de trabalho em julho

Frente a junho, houve aumento de 0,38% no número de trabalhadores formais. No acumulado do ano, o acréscimo foi de 1.593.527 empregos

SÃO PAULO – O Brasil registrou a criação de 140.560 vagas de trabalho no sétimo mês de 2011, de acordo com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados nesta terça-feira (16).

De acordo com as informações, a geração de empregos no mês de julho originou-se de 1.696.863 admissões e de 1.556.300 desligamentos, ambos os maiores para o mês.

Frente a junho, houve aumento de 0,38% no número de trabalhadores formais.

PUBLICIDADE

Já no acumulado do ano, o acréscimo observado foi de 1.593.527 empregos, o que representa uma alta de 4,43%. Em 12 meses, com a criação de 2.214.130 vagas, houve um incremento de 6,27% no contingente de empregados com carteira assinada no País.

Crescimento setorial
Na análise mensal, dos oito setores de atividades econômicas, todos apresentaram crescimento na geração de empregos formais no mês passado. Em números absolutos, o destaque ficou com o setor de Serviços, com 45.961 vagas de trabalho, o equivalente a uma variação percentual de 0,31%.

Outro destaque do período foi o Comércio, que apresentou acréscimo de 28.538 postos de trabalho (+0,35%). A Construção Civil foi o terceiro setor que mais gerou emprego no mês, ao responder por 25.632 postos de trabalho.

Os demais setores ficaram da seguinte forma: na Indústria de Transformação, houve alta de 0,29% no número de empregados (+23.610) e na Agropecuária, de 0,80% (+13.647). Já na Indústria Extrativa Mineral, tal variação foi de 1,02% (+2.033), enquanto que, nos Serviços Industriais de Utilidade Pública, tal número foi de 0,29% (+1.129 vagas). A Administração Pública, no entanto, não registrou nenhum aumento expressivo, gerando apenas 13 postos de trabalho.

Análise regional
Ainda segundo os dados do Caged, na análise regional, houve saldo positivo do emprego nas 27 unidades federativas, com quatro delas registrando saldos recordes. Entre elas, destacam-se como recordistas o Amazonas (+4.504 postos – maior taxa de crescimento do emprego no mês entre os estados), Mato Grosso do Sul (+1.592), Amapá (+650) e Roraima (+148 postos ou +0,39%).

Em termos absolutos, os destaques ficaram com os estados de São Paulo (+49.285), Rio de Janeiro (+10.968), Paraná (+8.830), Pernambuco (+8.029 – segundo maior saldo para o mês) e Minas Gerais ( +7.930).

PUBLICIDADE

Considerando as regiões, todas apresentaram elevação no emprego formal. Em números absolutos, a liderança coube à Região Sudeste (+69.201 postos ou +0,34%). Na sequência, se destacaram as regiões Nordeste (+27.543 postos ou +0,47%), Sul (+17.044 postos ou +0,25%), Norte (+ 14.296 postos ou +0,89%) e Centro-Oeste (+12.479 postos ou +0,45%).