Brasil gera 995.110 empregos formais em 2009, menor nível desde 2003

Resultado é inferior ao esperado pelo governo, de 1,1 milhão de novas vagas, e quase 31,5% menor do que o de 2008

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – No Brasil, foram geradas 995.110 vagas de trabalho no ano passado, o pior resultado desde 2003 (645.433) e abaixo das expectativas do MTE (Ministério do Trabalho), que contava com 1,1 milhão de novos postos em 2009, de acordo com o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgado nesta quarta-feira (20).

Frente a 2008 (1,452 milhão), houve queda de quase 31,5% no estoque de assalariados formais. De acordo com o MTE, o resultado pode ser considerado bastante favorável, tendo em vista as adversidades impostas pela crise financeira internacional. Na série histórica de 18 anos do Caged, o saldo do ano passado é o sexto melhor.

Crescimento setorial
Na análise mensal, dentre os oito setores de atividades econômicas, sete apresentaram crescimento na geração de empregos formais no ano passado. Em números absolutos, o destaque ficou com Serviços, com alta de 500.177 postos de trabalho. Neste caso, o segmento de Comércio e Administração de Imóveis foi o que mais gerou empregos, em números absolutos, com mais 166.957 postos.

Aprenda a investir na bolsa

Em termos relativos, por sua vez, o maior aumento esteve na Construção Civil (+9,17%). A Agropecuária foi o único setor que não expandiu o emprego formal no ano passado: foram menos 15.369 postos, uma queda de 0,99%.

Análise regional
Ainda segundo os dados do Caged, na análise regional, houve saldo positivo do emprego em 25 das 27 unidades federativas. Apenas Maranhão e Amazonas apresentaram variação negativa no ano, de 1,46% e 0,40%, na ordem. Nesses estados, o saldo de empregos ficou negativo em 4.784 vagas e 1.408 vagas, respectivamente.

No restante do País, houve aumento do número de vagas criadas, com destaques para São Paulo (+227.573 ou 2,64% de expansão), Minas Gerais (+90.608 vagas ou 2,65%) e Rio de Janeiro (+88.875 ou 2,80%).

Considerando as regiões, nenhuma registrou variação negativa, com as seguintes altas: Nordeste (+227.376 ou 4,74%), Sul (184.324 postos ou 3,16%), Centro-Oeste (+70.138 vagas ou 3,05%), Norte (+37.241 ou 2,82%) e Sudeste (+476.031 ou 2,68%).

Dezembro
Quando analisado apenas o mês de dezembro (saldo negativo de 415.192 empregos), houve queda de 1,24% frente ao mês anterior. O MTE explicou que, neste mês, existem fatores sazonais que declinam a criação de emprego, como a entressafra agrícola e o término do ciclo escolar, por exemplo.

O único setor que acusou alta no emprego no último mês de 2009 foi o Comércio (+10.598 ou +0,14%), enquanto a maior perda esteve na Indústria da Transformação (-166.040 ou -2,19%).

PUBLICIDADE

Quanto às unidades da Federação, foi verificada queda generalizada, com destaque para São Paulo (-191.186 ou -1,74%) e Minas Gerais (-49.762 ou -1,40%).