Bancos brasileiros contratam menos e demitem mais no primeiro trimestre do ano

Segundo pesquisa, demissões aconteceram, sobretudo, para os cargos hierárquicos maiores e as contratações para os iniciantes

SÃO PAULO – Os bancos que atuam no País fecharam 1.354 postos de trabalho no primeiro trimestre deste ano. Nesse período, as empresas financeiras demitiram 8.236 bancários e contrataram 6.882.

No mesmo período do ano passado, houve um aumento de 3.139 vagas no setor. Os números fazem parte de um estudo elaborado pela Subseção do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) e pela Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) e foram divulgados nesta terça-feira (16).

“Enquanto os lucros aumentam progressivamente, mesmo durante a crise – os 50 maiores bancos apresentaram lucro líquido de R$ 7,5 bilhões só no primeiro trimestre deste ano -, as empresas financeiras estão reduzindo custos com fechamento de postos de trabalho e ainda com a alta rotatividade da mão-de-obra, demitindo bancários com salários mais altos e contratando funcionários com remuneração inferior”, critica o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro.

Salários

PUBLICIDADE

A pesquisa também constatou que, além da redução de emprego, houve diminuição na remuneração média dos trabalhadores do sistema financeiro. Os trabalhadores demitidos no primeiro trimestre deste ano recebiam salário médio de R$ 3.939,84. Já os contratados têm uma remuneração média de R$ 1.794,46, uma diferença salarial de 54,45%.

De acordo com o estudo isso pode ser explicado pelo fato de houve mais demissões de pessoas com cargos hierárquicos maiores. Por outro lado, as admissões ocorrem, sobretudo, nos cargos iniciais da carreira.

Já nos primeiros três meses de 2008, a diferença entre os salários médios dos bancários contratados e demitidos era de 34,34%.