Autônomos contratados por empresas não-optantes pelo Simples ganham mais

De acordo com levantamento do Ipea, em janeiro de 2002, a diferença na renda atingiu seu maior patamar, R$ 72,76

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A remuneração média dos autônomos contratados pelos estabelecimentos não-optantes do Simples é maior do que o dos mesmos trabalhadores, contratados por empresas optantes do programa.

Para se ter uma idéia, em janeiro de 2002, esta diferença atingiu seu maior patamar, R$ 72,76, de acordo com o levantamento “Os efeitos do Simples na pequena empresa” divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) na última quarta-feira (16).

Aumento maior nas optantes

Na época, a renda média dos autônomos contratados por estabelecimentos não-optantes do Simples era de R$ 589,60, contra R$ 516,84 dos trabalhadores de empresas optantes.

Aprenda a investir na bolsa

Já em janeiro de 2005, quando a diferença nos rendimentos caiu para R$ 14,40, as médias eram de R$ 627,20 e R$ 612,80, respectivamente.

Desta maneira, é possível concluir que a remuneração dos trabalhadores autônomos de estabelecimentos optantes do Simples cresceu mais no período do que a dos empregados em locais que não optaram pelo programa.

Trabalho formal prevalece

Por fim, o Ipea ressalta que todos os estabelecimentos, optantes ou não do Simples, contavam com o trabalho por conta própria apenas de forma subsidiária, uma vez que havia entre 3 e 4 vezes mais empregados que autônomos nos locais.