Aumenta interesse de profissionais em trabalhar com fundos de pensão

Banco de Talentos registra quase 1 mil currículos de profissionais. Em alguns casos, é preciso certificação

SÃO PAULO – O número de profissionais interessados em trabalhar com fundos de pensão tem aumentado. Somente o Banco de Talentos do Sindapp (Sindicato Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar) possui 997 currículos de pessoas de diversas áreas interessadas em atuar no segmento.

Para Ivan Corrêa Filho, do núcleo técnico da Abrapp (Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar), desde 2007, quando o banco de talentos foi criado, houve um aumento no número de profissionais interessados em trabalhar em fundos de pensão.

De acordo com os dados, boa parte dos profissionais que registraram o currículo pretende atuar na área de Previdência (19%). As áreas financeiras e de Administração e Serviços Gerais concentram 13% e 7% dos interessados, nesta ordem.

PUBLICIDADE

Os candidatos interessados em trabalhar com Recursos Humanos, Contabilidade e Controles, Processamento de Benefícios e Controles internos respondem por 6%, cada área, do total de currículos do banco de talentos. A área jurídica concentrou 5% do total de currículos, seguida de Seguros/Sinistros (4%) e Marketing e Comunicação (4%).

Certificação
Quem está interessado em atuar com fundos deve ter habilidades e competências que variam de acordo com a área de atuação, segundo Corrêa. Além disso, algumas áreas também precisam de certificação.

“Quem aplica o recurso do fundo deve ter certificação”, afirma a diretora técnica do ICSS (Instituto de Certificação dos Profissionais de Seguridade Social), Marise Theodoro da Silva Gasparini. Ela explica que a certificação está instituída na Resolução 3792, do CMN (Conselho Monetário Nacional).

De acordo com o documento, as entidades fechadas de previdência complementar podem designar um administrador estatutário tecnicamente qualificado, os AETQ. Esses profissionais são obrigados a adquirir a certificação.

Eles devem ser escolhidos dentre os membros da diretoria executiva, ter formação superior, ter comprovada experiência no exercício de atividades nas áreas financeira, administrativa, contábil, jurídica, de fiscalização e de auditoria.

Para os demais profissionais que atuam com fundo, a certificação depende da forma da organização e dos processos internos de cada entidade de previdência fechada.

PUBLICIDADE

Para se certificarem, os profissionais devem buscar entidades como a Anbima (Associação Brasileira das Entidades de Mercados Financeiro e de Capitais), o ICSS, Apimec e IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa).