Milionários

As 7 mentiras sobre a vida dos ricos (e que você acreditava)

Além de seus hábitos mais comuns, o pesquisador também descobriu quanto do que geralmente dizemos é verdade ou não

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Algumas crenças quanto à vida das pessoas ricas estão tão enraizadas que, normalmente, é difícil pensar de outra maneira. Para descobrir a veracidade delas, Thomas Corley passou cinco anos monitorando e analisando os hábitos e atividades das pessoas ricas e pobres.

Além de seus hábitos mais comuns, ele também descobriu quanto do que geralmente dizemos é verdade ou não. Ele define como “pessoas ricas” aquelas que possuem um patrimônio líquido de US$ 3,2 milhões ou mais e as “pobres” como as que possuem um patrimônio de US$ 5 mil ou menos.

Confira algumas de suas descobertas:

PUBLICIDADE

1. Pessoas ricas herdaram seu dinheiro
É comum ouvir dizerem que o dinheiro das pessoas ricas é “dinheiro velho”, como se eles não tivessem o conquistado por conta própria e sim ganhado. Segundo a pesquisa, 82% dos ricos não herdaram nenhuma parcela de seu dinheiro – na verdade, 7% dos pesquisados se tornaram milionários por conta própria e seu próprio trabalho. Cerca de 31% vieram de famílias pobres e apenas 24% nasceram em famílias ricas.

2. Eles não precisam trabalhar muito
Uma das razões pelas quais acumularam tanta riqueza se deve ao fato de que eles trabalharam muitas horas a mais do que as pessoas que não são ricas.

  • 44% das pessoas ricas trabalharam 11 horas a mais do que os pobres
  • 86% deles trabalhavam em período integral – cerca de 50 ou mais horas semanais, enquanto 57% das classes mais baixas que possuíam empregos de período integral trabalhavam menos de 50 horas por semana
  • 65% dos ricos trabalham mais do que o normal, pois devem administrar três fontes de renda e 45% possuem quatro fontes de renda; apenas 6% dos pobres possuem mais de uma fonte de renda.

No caso, a disparidade entre as horas de trabalho dos pobres e dos ricos se deve ao fato que de 91% dos ricos analisados possuíam cargos de decisão, que acabam exigindo mais responsabilidade e mais horas de trabalho.

3. A riqueza é uma questão de sorte
Apenas 8% dos que se fizeram milionários afirmaram que conseguiram acumular riqueza devido a “sorte” – enquanto 92% afirmam que a sorte aleatória não tem nada a ver com sua riqueza.

Esses 92% sabem que a sorte é um fator na acumulação de riqueza, mas um tipo diferente de sorte chamado “oportunidade de sorte”. Segundo eles, um tipo de sorte que é produto da persistência, hábitos e trabalho.

4. Os ricos possuem uma educação melhor
Dos participantes do estudo, apenas 68% possuíam um diploma de ensino superior. Por outro lado, 32%, parcela significativa, não possuíam diploma universitário. Dessas pessoas que conquistaram o diploma, 46% pagaram seus próprios estudos e 23% trabalhavam para poder pagar.

PUBLICIDADE

5. Eles não são caridosos
Ao contrário do que normalmente pensam, 62% dos ricos afirmam contribuir com 5 a 10% de sua renda para a caridade, que ajudam o banco comunitário de comida, abrigo para moradores de rua, programas de bolsa de estudos escolares e organizações que ajudam crianças pobres. Além disso, também 62% voluntariam por cinco ou mais horas por mês.

6. O dinheiro não compra a felicidade
82% dos ricos afirmam que são felizes, dos quais 94% explicam que a felicidade é porque gostam ou amam seu trabalho.

7. Eles vivem de maneira extravagante
Jatinhos privados, iates, viagens caríssimas e carros importados fazem parte da realidade de uma pequena parcela das pessoas ricas:

  • 67% afirmam que são econômicos com o dinheiro
  • 30% utilizam cupons de desconto
  • 92% nunca andaram de iate
  • 55% deles gastam menos de US$ 6 mil por ano em viagens; apenas 23¨% afirmaram gastar mais de US$ 10 mil em viagens – desses, a maioria herdou sua herança
  • 44% afirmam que compram um carro usado a cada cinco anos.