RADAR INFOMONEY Petrobras vai se transformar na nova máquina de dividendos da Bolsa? Assista ao programa desta 6ª

Petrobras vai se transformar na nova máquina de dividendos da Bolsa? Assista ao programa desta 6ª

Muitas mudanças

As 5 principais tendências para o mercado de trabalho em 2017, segundo o Glassdoor

O estudo foi elaborado pelo economista chefe do portal Glassdoor, um dos maiores de carreiras do mundo

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Todos os anos, o mercado de trabalho apresenta novas tendências e mudanças, sejam elas sobre as profissões que se darão bem, sobre as que estão em baixa ou sobre possíveis reestruturações que as empresas realizarão.

Segundo o economista chefe do portal Glassdoor, Andrew Chamberlain, um dos maiores sites de carreiras do mundo, o próximo ano será repleto de mudanças impactantes, válidas para todas as áreas do mercado. Em estudo publicado pelo site, ele selecionou cinco dessas principais tendências para 2017 e os anos seguintes – e, mesmo que algumas delas já sejam visíveis no mercado hoje, elas são consideradas tendências pois se intensificarão ainda mais.

Confira quais são essas tendências:

Profissionais de RH se tornarão “cientistas das pessoas”
O economista afirma que nos próximos anos, os departamentos de recursos humanos devem começar a usar as ciências de dados para realizar contratações e acompanhar o desenvolvimento dos funcionários. Isso significa que, além da área de vendas, marketing, precificações e logísticas, os profissionais de RH também vão utilizar sistemas de análise para acompanhar o “ciclo de vida” de cada funcionário.

A automação vai mudar todos os empregos
“O crescimento do alcance de dispositivos móveis, armazenamento de dados e inovações em machine learning trarão mudanças surpreendentes para a forma como trabalharemos nos próximos anos. 2017 parece ser o ano em que esses avanços em automação comecem a mudar a rotina de trabalho”, explicou Chamberlain.

Ele também conta que os empregos que serão mais afetados por essa automação são “empregos de rotina”, que precisam ser feitos sempre da mesma forma e não pedem muita flexibilidade ou criatividade”. Um bom exemplo desses empregos é, segundo ele, o de taxista.

Fim dos benefícios “divertidos”
Benefícios oferecidos principalmente em startups, como mesas de pingue pongue, sinuca, lanches e ambientes para descanso não serão uma tendência em 2017. Nos próximos anos, isso não deve ser oferecido pelas empresas, que vão dar preferência à benefícios mais tradicionais, como planos de saúde e salários.

“Em 2017 e nos próximos anos, muitas empresas de tecnologia vão começar a se tornar mais maduras e se transformar em empresas mais tradicionais”, escreveu. “Nossa pesquisa comprovou que esses benefícios exóticos afetam pouco a satisfação dos funcionários em relação a benefícios mais tradicionais, como plano de saúde, férias e previdência”.

Esforços para diminuir a desigualdade de salário entre gêneros
Além de aumentar a transparência em relação aos salários pagos a homens e mulheres, no próximo ano as empresas também terão maior disponibilidade de dados para medir e corrigir a diferença salarial entre homens e mulheres. Uma pesquisa realizada pelo site mostrou que as pessoas têm rejeição às empresas que pagam salários diferentes a homens e mulheres, o que já consiste em um motivo para reduzir essa desigualdade.

PUBLICIDADE

A “gig economy” não vai ganhar espaço, mas será tendência
Serviços compartilhados, como os oferecidos pela Uber e o Airbnb, não devem ganhar mais espaço no mercado, mas inúmeras características deles serão implantadas pelas empresas no contrato de trabalho, como a flexibilidade do horário e do local de trabalho. Segundo o economista, o benefício dessas características é tanto para o funcionário quanto para a empresa.