AO VIVO Especialista responde como a flexibilização trabalhista na pandemia afeta a sua vida; assista e mande suas perguntas

Especialista responde como a flexibilização trabalhista na pandemia afeta a sua vida; assista e mande suas perguntas

queixas

As 10 universidades mais reclamadas, segundo o Procon-SP

Neste ano, as queixas contra universidades, centros universitários e faculdades aumentaram 19% em relação a 2012

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A Fundação Procon-SP divulgou nesta segunda-feira (9) um ranking com as dez instituições de ensino superior privadas mais reclamadas durante o ano de 2013.

De janeiro a setembro, as queixas contra universidades, centros universitários e faculdades cresceram 19% em relação a 2012, com mais de 1.129 registros.

No topo das mais reclamadas está o Grupo Uniesp, com mais de 290 queixas e um aumento de 140% ante 2012. Segundo o Procon-SP, a alta se deve aos problemas relacionados à oferta de curso de ensino superior gratuito e contratação obrigatória do Fies para liberação do acesso às provas, aulas, entre outras práticas. Por conta dessas irregularidades, o Grupo chegou até a ser impedido, neste ano, de abrir novos cursos pelo MEC (Ministério da Educação).

PUBLICIDADE

A segunda colocada no ranking foi a Anhanguera Educacional, responsável pelas instituições Uniban, Unibero e Anhanguera. O problema mais relatado pelos alunos refere-se a procedimentos de cobrança, como falta de emissão de boletos, processos mal-sucedidos de trancamento, cancelamento ou transferência, além da inclusão irregular do nome dos alunos em cadastros como o da Serasa Experian. 

Para as demais empresas do ranking, a maioria das queixas dos consumidores trata, de forma geral, de problemas com a geração de boletos (valores incorretos, não geração) ou não reconhecimento de pagamentos, contratos cancelados por falta de alunos para formação de turmas, falhas no sistema para o acesso dos alunos a suas notas, cobrança indevida e demora para entrega documentos, especialmente histórico escolar e diploma. Confira abaixo as mais reclamadas:

Instituições de ensino mais reclamadas em 2013
InstituiçõesReclamaçõesÍndice de Solução
*De janeiro a setembro 
*Fonte: Procon-SP 
Grupo Uniesp29070%
Anhanguera Educacional17871%
Universidade Anhembi Morumbi16550%
Uninove – Universidade Nove de Julho12979%
Unip – Universidade Paulista9672%
FMU – Faculdades Metropolitanas Unidas9378%
Unisa – Universidade de Santo Amaro5277%
Unicid – Universidade Cidade de São Paulo5084%
Estácio – Universidade Estácio de Sá4542%
Unicsul – Universidade Cruzeiro do Sul3183%

Outro lado
Procuradas pelo Portal InfoMoney, a Unicsul e a Unicid informam que seus processos estão em aprimoramento continuo a fim de oferecer aos seus alunos os melhores serviços educacionais, cumprindo rigorosamente a legislação vigente. “As universidades respondem às CIPs recebidas dentro do prazo e possui os melhores índices de solução, conforme o ranking.”

A FMU esclarece que busca atender e apurar as solicitações de seus alunos por meio dos seus canais de relacionamentos e diz que respeita o trabalho realizado pelo Procon-SP. A Unisa também afirma que tem trabalhado para a melhoria da qualidade dos seus serviços educacionais. 

Já a Uniesp não concorda com o ranking do Procon-SP e afirma que o órgão cometeu erros ao elaborá-lo. Ela acrescenta que as dúvidas de alunos são formalmente recebidas pela Ouvidoria da instituição e encaminhadas para esclarecimento e solução. “Neste ano, tivemos um aumento significativo de ingresso de alunos por causa dos programas inovadores que desenvolvemos visando ampliar o acesso dos jovens de baixa renda ao ensino superior.”

A Anhanguera informou que o número de 178 CPIs (Cartas de Informação Preliminar) emitidas pelo Procon representa menos de 0,05% do total de 428 mil alunos do Grupo e que o relacionamento com o aluno é uma prioridade. “Com atuação nacional em 24 Estados, além do Distrito Federal, mais de 900.000 atendimentos foram realizados nos canais de relacionamento com o aluno até outubro de 2013″.

PUBLICIDADE

As demais não se posicionaram até o fechamento desta reportagem.