Hermanos

Argentinos também mentem nos currículos para conseguir uma vaga de emprego

A mentira mais contada é sobre a experiência profissional, já entre os brasileiros, a mentira mais contada é sobre a formação acadêmica

SÃO PAULO – Mentir no currículo aparece que não é um fato comum somente aos brasileiros. Uma pesquisa realizada pela Trabajando.com revelou que 7% dos argentinos já mentiram ao elaborar o documento.

Entre as mentiras mais contadas estão experiência profissional (52%), conhecimento em idiomas (18%), empresas em que nunca trabalharam (17%) e cursos que nunca fizeram (11%).

Ao serem questionados se a mentira ajudou a conseguir uma oportunidade de trabalho, 49% disseram que sim. Já 10% disseram que a mentira ajudou a conquistar o emprego, mas foi difícil trabalhar já que inventaram conhecimentos em que eles não tinham. 

PUBLICIDADE

Por fim, 38% dos mentirosos disseram que voltariam a mentir no currículo, contra 31% que não.

Pinóquios brasileiros
A Trabalhando.com do Brasil também realizou uma pesquisa sobre mentira nos currículos. Entre os brasileiros, as mentiras mais contadas são sobre a formação acadêmica, a fluência em idioma estrangeiro e a falsa experiência na área em que desejam atuar aparecem na sequência. Os brasileiros mentem ainda sobre as atribuições do cargo anterior, salário e até mesmo idade.