Após formatura, grandes empresas nacionais são o foco dos novos profissionais

Em pesquisa, companhias brasileiras desbancam multinacionais; jovens analisam questões sociais e ambientais

SÃO PAULO – Depois de se graduarem, os universitários se deparam com um mercado de trabalho concorrido. Mesmo assim, eles sonham em trabalhar em grandes empresas, de acordo com pesquisa realizada pela Cia de Talentos.

Isso porque, o levantamento “Empresa dos Sonhos dos Jovens”, realizado com 18 mil universitários e recém-formados de todo o Brasil, mostrou a Petrobras em primeiro lugar. Em seguida estão Unilever, Cia Vale do Rio Doce, Natura, Nestlé, Microsoft, Google, Rede Globo, IBM do Brasil e Gerdau.

Um fator interessante da pesquisa é que as empresas brasileiras que aparecem no ranking (50% do total) desbancaram multinacionais que dominavam o cenário em anos passados. Além disso, os jovens já notam fatores como responsabilidade social e ambiental.

Como escolhem?

PUBLICIDADE

O levantamento mostrou que diversos fatores interferem no modo como os jovens escolhem a empresa dos sonhos. O primeiro deles é o desafio que a companhia proporciona, seguido das oportunidades de crescimento.

Entre eles ainda estão a infra-estrutura de trabalho, a imagem que a empresa tem no mercado e o salário e benefícios oferecidos.

Retenção de talentos

Com relação à questão de como manter o talento na empresa, segundo a opinião dos jovens, em primeiro lugar está a possibilidade de crescimento profissional, com 35% das respostas dos entrevistados. Outro fator de bastante peso é a existência de benefícios ou participação nos lucros, com 18%.

Segundo a presidente da Cia de Talentos, Sofia Esteves, a oferta alta de programas de estágios e trainees favorece que os universitários estipulem um conjunto de fatores para apoiar sua decisão.

“Entre eles estão questões referentes à qualidade de vida como a existência de um ambiente sem pressão (pouco estresse), tempo livre para outras atividades, empresa voltada para projetos sociais e responsabilidade ambiental”, disse.