Apesar de bom momento da economia, população deve ter cuidado com dinheiro

Especialista recomenda cautela ao consumir e sugere que consumidor se planeje e realize bons planos de investimentos

SÃO PAULO – Se a economia parece estar passando por um bom momento, e o sentimento geral é de que a situação ficará ainda melhor por conta de grandes eventos internacionais, como a Copa e Jogos Olímpicos, saiba que essa maré não será eterna.

É realmente provável que o País passe por um momento de bonança entre 2010 e 2016, porém, apesar de ainda distante, é importante cuidar do seu dinheiro para não sofrer com o período de “vacas magras” que se estabelecerá a partir daí.

A opinião é educador e planejador financeiro Marcos Silvestre, curador de Finanças Pessoais da Editora LeYa. Segundo ele, a primeira dica é para cuidar da finanças é: Não deixe de dar valor às coisas, reconhecendo que o consumo custa trabalho. “Não é porque você está empregado e ganhando melhor que os produtos e serviços estão mais baratos. Uma tática que ajuda é relacionar o que você quer comprar com o quanto você terá que trabalhar para isso, desta forma, fica mais fácil perceber que as coisas não são tão baratinhas assim”, aconselha.

PUBLICIDADE

Planeje e poupe
Não é só porque a economia está indo bem que você tem que gastar desenfreadamente e esquecer de poupar. Com as coisas estando boas ou não, nunca deixe de buscar oportunidades de enxugar os gastos frequentes, mesmo que pareça ter pequeno valor isolado. Segundo Silvestre, são justamente esses gastos que podem pesar no orçamento final das contas.

Dada a devida importância aos seus gastos frequentes, lembre-se de se planejar para os gastos eventuais de maior valor. A sugestão é: vá poupando dinheiro e invista todos os meses para juntar o necessário. Isso evita ter que recorrer às dívidas emergenciais como a única solução para bancar tais gastos.

O planejamento é a melhor maneira de evitar dívidas e evitar atrapalhar todo seu orçamento. Observe que, para realizar seus sonhos, sobretudo os grandes, você também pode optar por bons planos de investimentos.

Melhor não parcelar
Silvestre ainda alerta sobre os parcelamentos. Saiba que parcelas anunciadas como sendo sem juros quase sempre trazem juros embutidos. “O pagamento de juros é o pior gasto que você pode ter, porque não agrega em nada a sua qualidade de vida”, observa o curador.