Apenas 34% das companhias acreditam na importância estratégica do próprio RH

Estudo da Hay Group revela que a área de recursos humanos precisa atuar de forma integrada para unir as pessoas ao negócio

SÃO PAULO – Os profissionais de recursos humanos têm encontrado dificuldade de progredir estratégicamente nas empresas. Ao menos, é essa a constatação da Hay Group. De acordo com seu mais recente levantamento, 34% das companhias consultadas afirmam que o RH tem uma importância estratégica para as empresas. Já o percentual de companhias não percebem tal contribuição é de 6%.

Os demais 60%, no entanto, costuma ficar ‘em cima do muro’ na hora de demonstrar sua opinião, mas ainda assim acreditam em melhorias.

O problema
Entre os principais problemas citados pelo estudo para justificar a dificuldade de atuação do RH estão o desalinhamento entre o lado humano e o negócio da companhia, a forma de medição do trabalho e a gestão de talentos.

PUBLICIDADE

Para se ter uma ideia, segundo os dados apurados, apenas 40% dos respondentes acreditam que a medição do trabalho está estreitamente alinhada com os processos de gestão.

O mesmo se repete ainda com a gestão de talentos, em que um número ainda menor (36%) percebe o alinhamento entre a gestão de talentos e organização.

Precisa mudar
Para solucionar esse impasse, a pesquisa sugere que a área de recrutamento deixe de se apegar as processos tradicionais e ineficientes para avançar em uma abordagem mais integrada, que unirá o trabalho executado pelas pessoas ao negócio.

“É fundamental que o RH faça essa mudança, passando a ocupar a posição de parceiro estratégico dos negócios”, informou o diretor global de medição de trabalho da companhia, Phil Johnson.

Para ele, o sucesso organizacional de uma empresa dependerá, principalmente, da capacidade do RH de combinar decisões de capital humano com a estratégia de negócios.

A pesquisa
No total, mais de 1.400 profissionais de RH e de gestão sênior de todo o mundo foram entrevistados pela consultoria.