Ambiente de trabalho: qual o limite da proatividade?

É excelente ter profissionais capazes de antecipar ações, porém, como tudo na vida, atitude proativa deve ser equilibrada

SÃO PAULO – Não há dúvidas de que o mercado de trabalho valoriza o profissional proativo. Você, certamente, conhece uma pessoa com essa característica. Para ajudar a memória, aí vão algumas dicas: ela antecipa problemas, necessidades ou mudanças e sempre faz suas atividades sem que seja solicitada ajuda.

Em resposta ao InfoMoney, o headhunter da JUNTO Fast Recruitment, Alexandre Campos, e o presidente da empresa, Ricardo Nogueira, afirmaram que o perfil proativo é muito valorizado pelo mercado de trabalho atual. “É excelente ter profissionais capazes de analisar o contexto e os acontecimentos, de realizar previsões sobre como as coisas estarão no futuro e de antecipar as ações necessárias para se obter o melhor resultado”.

Porém, como tudo na vida, a atitude proativa também deve ser equilibrada. Isso porque, de acordo com os especialistas, o indivíduo que exagera no comportamento pode passar por cima dos demais colegas ou até mesmo interferir em assuntos que não lhe dizem respeito, ou sobre os quais está pouco informado.

Conseqüências

Não é preciso nem dizer que, desta forma, aquilo que era uma atitude positiva, a favor do profissional, passa a atrapalhá-lo. “Esse comportamento pode comprometer sua capacidade de trabalhar em equipe. Os amigos podem passar a vê-lo como uma pessoa intrometida e que deve ser boicotada”, disseram os especialistas.

Além disso, o profissional muito proativo ainda chama atenção, e provoca inveja por parte dos colegas, que passam a vê-lo como uma ameaça. A mesma sensação pode ser sentida pelo superior. De maneira negativa, o proativo pode ser visto como alguém exibido ou ambicioso demais.

De acordo com os especialistas, a proatividade é uma atitude desejável, uma vez que o profissional pode transmitir comprometimento, preocupação, competência e espírito de liderança. Todavia, em excesso, tem as seguintes conseqüências:

  • Criar antipatia;
  • Dificultar o trabalho em equipe;
  • Gerar desconfiança;
  • Prejudicar a reputação com atitudes equivocadas e pouco embasadas.

Limites

A atitude proativa é mais estimulada em ambientes que concedem ampla liberdade aos funcionários. Por outro lado, à medida em que o ambiente de trabalho privilegia o controle e a centralização das responsabilidades na figura dos chefes, a proatividade perde tamanha importância.

O cuidado, em ambos os casos, deve ser redobrado, para não passar dos limites. Para isso, basta analisar suas próprias atitudes. Fique atento aos seguintes sinais:

  • Tendência a dar palpites demais;
  • Preocupação em demasia com assuntos que são claramente de responsabilidade de outras pessoas ou de outras áreas da empresa;
  • Seus colegas de trabalho passam a lhe tratar com reservas e a sugerir que você é muito intrometido;
  • Seus superiores começam a vê-lo como uma ameaça;
  • São tomadas decisões sobre assuntos cujo conhecimento é superficial ou incompleto.