Alta rotatividade de funcionários é característica marcante do comércio

Conclusão é de pesquisa do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, que realiza 366 homologações por dia

SÃO PAULO – No período de apenas um ano, um quarto do total de trabalhadores do comércio paulistano é renovado. Isso significa que a rotatividade de funcionários nas empresas do setor é alta.

A constatação é de uma pesquisa realizada pelo Sindicato dos Comerciários de São Paulo, que realiza cerca de 366 homologações por dia, legitimando as rescisões dos contratos de trabalho.

Marca do comércio

De acordo com o sindicato, a substituição da mão-de-obra é uma característica marcante do comércio. Ao longo dos anos, o número de homologações na capital paulista apenas aumentou. Em dez anos, quase triplicou. Confira na tabela abaixo:

Quantidade de homologações em São Paulo
PeríodoTotalMédia mensal
199938.5693.214
200032.1922.683
200133.9752.831
200238.3173.193
200350.3354.195
200453.9464.496
200555.4604.622
200669.9495.829
200790.2857.524
200896.0978.008

PUBLICIDADE

Fonte: Sindicato dos comerciários de São Paulo

Confira o número de homologações entre janeiro de 2008 e o mesmo mês deste ano:

Comparativo mensal
MêsTotalMédia diária
Janeiro/ 20086.202282
Fevereiro/ 20087.607380
Março/ 20088.195390
Abril/ 20088.986408
Maio/ 20088.520387
Junho/ 20088.781418
Julho/ 20088.221357
Agosto/ 20087.497357
Setembro/ 20088.032365
Outubro/ 20089.383408
Novembro/ 20087.391370
Dezembro/ 20087.282317
Janeiro/ 20096.710320

Fonte: Sindicato dos comerciários de São Paulo

A maioria das rescisões do contrato de trabalho aconteceram quando o funcionário tinha entre 12 e 23,9 meses no emprego, com 39,16%. Isso significa que, entre os demitidos, quase 40% não trabalharam nem dois anos na empresa, outro indício da alta rotatividade do setor. Outros 21,47% tinham entre 24 e 35,9 meses no emprego.

Quanto à remuneração, a maioria dos trabalhadores que tiveram seus contratos rescindidos, entre janeiro de 2008 e o mesmo mês deste ano, ganhavam entre 1,01 e 2 salários mínimos. É o caso de 48.123 deles, ou 46,81%. Outros 19.989 recebiam entre 2,01 e 3 salários mínimos, o equivalente a 19,44% das homologações registradas no período.