Adultos têm mais dificuldades de aprender outro idioma; veja algumas dicas

Mestrado da UnB mostra que adultos possuem mais dificuldades que crianças; controle o emocional e a falta de tempo!

SÃO PAULO – Necessário para que o profissional ocupe uma boa posição no mercado de trabalho, o aprendizado de um segundo idioma pode se tornar mais difícil, quando iniciado já na fase adulta.

O fato foi comprovado na dissertação de mestrado “A questão da afetividade no processo de ensino/aprendizagem de língua estrangeira (inglês): o que leva ao sucesso ou ao fracasso do aprendiz”, defendida pela professora de inglês, Myriam de Castro e Silva em julho deste ano na UnB (Universidade de Brasília). A principal conclusão foi que a afetividade influencia bastante no aprendizado de adultos.

De acordo com Myriam, um tratamento inadequado faz com que os adultos desistam das aulas, mas a necessidade no mercado levam-nos a iniciar o curso várias vezes. “Os adultos têm receio de se expor, ao contrário das crianças. Muitos deles são médicos, psicólogos, advogados, pessoas já formadas e respeitadas. Só que, quando entram na sala de aula, já têm que começar do zero”.

Estudo e trabalho

PUBLICIDADE

O aprendizado de um segundo idioma torna-se mais complicado se o profissional tem muito trabalho a fazer. Por isso, é preciso muita responsabilidade e dedicação, para conseguir lidar com as duas atividades, sem prejudicar nenhuma delas.

Para a consultora de desenvolvimento organizacional da Caliper, Luciana Zonta, é preciso dedicar algumas horas do dia para conseguir conciliar as atividades. “Para quem trabalha oito horas, pode-se dedicar duas ou três horas. O tempo aumenta se a pessoa trabalha menos”, disse.

Além de saber lidar com o emocional, como indica a dissertação de mestrado da UnB, pequenas atitudes podem fazer a diferença no momento de aprender outro idioma: escolher leituras, anotar recados na agenda na outra língua e trocar o idioma de seu celular. Além disso, veja outras dicas para quem tem oportunidade de participar de um curso, ou não:

  • Troque e-mails com pessoas que falam o idioma e marque encontros com elas, momentos em que será proibido falar a língua nativa;
  • Não deixe com que a falta de tempo se torne um empecilho para o aprendizado: determine metas e prazos;
  • Para quem participa de cursos, reveja o conteúdo das aulas, sempre que puder, e não leve dúvidas para a casa.