A relação entre dinheiro e a motivação no trabalho, segundo Chiavenato

O salário tem motivado pouco, em virtude de sua incorreta aplicação pela maior parte das empresas

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O dinheiro pode motivar o profissional a ter um melhor desempenho, bem como a ser mais companheiro e dedicado à empresa. É verdade que a conclusão, do pesquisador Edward Lawler III, autor do livro “Pay and organizational effectiveness” (“Salários e a efetividade organizacional”, em uma tradução livre), pode parecer bastante óbvia.

O que não é tão óbvia é a outra conclusão de seu estudo: o dinheiro tem motivado pouco, em virtude de sua incorreta aplicação pela maior parte das empresas.

Os motivos do baixo desempenho

No livro “Recursos Humanos – O capital humano das organizações”, Idalberto Chiavenato, um dos mais respeitados pesquisadores da área de RH, explica os motivos e as consequências da falta de sintonia entre salário e desempenho:

  • O enorme lapso de tempo ocorrido entre o bom desempenho da pessoa e o incentivo salarial dele decorrente. Explicação: a fraqueza do incentivo salarial e a demora de tempo para recebê-lo passam aos colaboradores a nítida impressão de que os ganhos das pessoas, naquela empresa, não estão atrelados ao seu esforço;
  • Aprenda a investir na bolsa

  • A não-produção de distinções salariais na análise de desempenho, porque os gerentes e avaliadores, de maneira geral, não gostam de se confrontar com pessoas de baixo desempenho, sem preparo para receberem nenhum ou menor incentivo salarial. Explicação: com essa cultura, os salários tendem a ser mantidos pela média, deixando de recompensar aqueles que tiveram bom desempenho e agregaram à empresa, com novas ideias e dedicação. Fica a impressão de que a relação entre desempenho e dinheiro inexiste, o que causa queda da motivação entre os mais talentosos;
  • A política de remuneração das organizações está geralmente atrelada às políticas governamentais ou a convenções sindicais, que são genéricas e procuram regulamentar os salários indistintamente, a fim de neutralizar o efeito da inflação. Explicação: os salários exigidos por sindicatos e organizações similares não fazem distinção entre os profissionais talentosos e aqueles que não têm bom desempenho. A falta de distinção entre o bom e o mau desempenho, no que se refere ao salário, ocasiona queda da motivação, prejudicando a performance de colaboradores importantes;
  • O preconceito gerado pela antiga Teoria das Relações Humanas a respeito do salário em si e das limitações do modelo do homo economicus difundido pela Teoria da Administração Científica de Taylor e que ela tanto combateu. Explicação: “Esse preconceito existe até os dias de hoje e parece transformar o dinheiro em algo vil e sórdido, quando, na realidade, é uma das razões principais que levam as pessoas a trabalharem em determinada empresa”, explica Chiavenato.

Dinheiro é um meio e não um fim

Lawler concluiu, em seus estudos, que as pessoas desejam dinheiro porque este lhes permite não somente a satisfação de necessidades fisiológicas e de segurança, mas também lhes dá plenas condições para a satisfação das necessidades sociais, de estima e de autorealização. O dinheiro é um meio e não um fim em si. Ele pode comprar muitas coisas que satisfazem múltiplas necessidades pessoais.

Por fim, “se as pessoas percebem e creem que seu desempenho é, ao mesmo tempo, possível e necessário para obter mais dinheiro, elas certamente desempenharão da melhor maneira possível. É só a empresa estabelecer esse tipo de percepção”, conclui Chiavenato.