AO VIVO Analisando ações: como fazer trades se você tem pouco tempo para operar

Analisando ações: como fazer trades se você tem pouco tempo para operar

A fim de mudar de função? Saiba como negociar

De acordo com especialista, antes de tudo, é importante ter claro os motivos que levam a querer tal mudança e estar preparado para uma resposta negativa

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Após algum período na mesma empresa, algumas pessoas se sentem incomodadas com a função exercida. Contudo, muitos profissionais nesta situação têm receio em falar sobre o assunto, por não saber como abordar o líder.

De acordo com a hedhunter da De Bernt Entschev Human Capital, Lívia Falland, antes de tudo, é importante ter claro os motivos que levam a querer tal mudança e estar preparado para uma resposta negativa, caso decida pela conversa.

“Ao procurar o gestor para uma conversa, seja para uma mudança de função no mesmo nível hierárquico ou não, o funcionário deve ter claro os motivos que o levaram a pleitear a mudança, bem como os benefícios que a alteração no cargo irão trazer”, explica a Lívia.

Aprenda a investir na bolsa

Além disso, diz ela, é essencial que, antes de procurar o líder para uma conversa, o profissional se informe a respeito da área e função que deseja se ocupar, para saber qual a situação da área na empresa e se possui as habilidades e qualificações necessárias.

O que não fazer
No geral, diz a headhunter, a insatisfação com o gestor é o motivo que mais leva os profissionais a buscarem uma mudança de função para outro setor da empresa. Além disso, descontentamento com a equipe ou com a atividade exercida costuma motivar os profissionais a pleitearem tal mudança.

No caso de mudanças que envolvem evolução de nível hierárquico e, consequentemente, aumento de salário, contudo, é a busca por novos desafios que mais motivam os profissionais.

Independentemente se o caso é de uma mudança horizontal – sem aumento de salário – ou vertical (com alteração de nível hierárquico), não dar opções para o líder é um erro grave, que pode até levar à demissão, diz a especialista.

“A pessoa deve estar preparada para ouvir um não e deixar sua disposição de continuar na atual posição até que apareça uma oportunidade. Caso contrário, ela obriga o gestor a optar pelo desligamento”.