Dinheiro

10 coisas que você não parou para pensar sobre os bilionários

Algumas das coisas que só saberíamos caso eles nos contassem

arrow_forwardMais sobre
Warren Buffett
Warren Buffett

SÃO PAULO – O que sabemos sobre a vida dos bilionários é o mais comum e, na maioria das vezes, o que a mídia divulga. Algumas coisas, entretanto, acabam ficando implícitas – e só saberíamos ouvindo diretamente de um bilionário.

Pensando nisso, o MarketWatch selecionou alguns fatos que não sabíamos sobre a vida dos bilionários. Confira:

1. “Ficamos cada vez mais ricos”
Segundo o relatório dos bilionários de 2015, da PwC, os últimos 35 anos foram um período de criação de riquezas – cerca de 917 pessoas se tornaram bilionários por conta própria, criando suas próprias fortunas neste período.

PUBLICIDADE

Neste ano, o patrimônio dos bilionários de todo o mundo alcançou um número recorde: os 1.826 bilionários possuem, juntos, um patrimônio de US$ 7,05 trilhões, sendo que 400 novos bilionários entraram para a lista somente neste ano. 

2. “Um milhão não tem mais o mesmo valor”
Alguns especialistas do site Trulia afirmam que ser um milionário não tem mais o mesmo significado de ser rico – isso porque ter um imóvel que vale US$ 1 milhão já te torna um. Basta morar em Nova York, São Francisco ou em uma região nobre de São Paulo ou Rio de Janeiro.

A palavra “milionário” já não tem tanto poder quanto antes. Na verdade, nem US$ 10 milhões te fazem tão rico quanto outrora. Por exemplo, já existe uma grande diferenciação entre bilionários e “meros milionários”, já que estes já não possuem o mesmo reconhecimento de antes.

3. “É, basicamente, um clube de homens”
Embora seja nítido o progresso das mulheres, em 2014 cerca de 2.039 dos bilionários correspondiam a homens – mais de 90% do total, frente a apenas 286 mulheres. E eles controlavam 87,7% do total de dinheiro. 

E, de todas elas, apenas Rosalia Mera, fundadora da Zara, tornou-se uma bilionária por conta própria, muito embora agora ela já tenha falecido. A mulher mais rica do mundo é Christy Walton, viúva de John T. Walton, um dos filhos do fundador do Walmart. 

4. “Posso ser inteligente, mas tive um bom começo”
O psicólogo Jonathan Wai, da Duke University, afirma que os bilionários têm maior probabilidade do que CEOs, juízes e senadores de terem atendido as universidades com os padrões de admissão mais rigorosos.

PUBLICIDADE

Mas afinal, eles nasceram ricos ou nasceram inteligentes? Um pouco dos dois. A maioria dos bilionários nasceu em uma família de classe média alta, como Bill Gates. Isso ajuda a solidificar a impressão de que “para ser bilionário, é importante nascer milionário”. 

Ainda assim, muitos bilionários não nasceram com nenhuma vantagem financeira, tendo lutado muito para conseguir chegar ao posto de bilionário. Mas não há dúvidas de que ter dinheiro no começo ajuda bastante. 

5. “É como o dinheiro do Monopoly”
É comum para bilionários gastar milhões – ou bilhões – a qualquer momento. Por exemplo, o oligarca russo Roman Abramovich comprou seu último iate por cerca de US$ 1 bilhão. Isso sem contar na fortuna que ele investiu em seu brinquedinho favorito: o time de futebol inglês Chelsea. 

Em alguns casos, entretanto, são gastos relativos: o valor de seu patrimônio é tão alto que, normalmente, a maioria dos gastos representam menos de 0,01% em suas fortunas. Para David Friedman, presidente da Wealth-X, é como se muitas dessas pessoas estivessem brigando por alguns centavos em certas ocasiões, apenas para gastar milhões em seguida.

6. “O que nos assusta? Advogados de divórcio”
Cerca de 84% dos bilionários são casados e apenas 8% são divorciados. Isso porque os divórcios podem custar milhões e trazer um fardo para a vida do casal – muito mais que um casal comum que não tem nada ou muito pouco a dividir.

Além disso, casais de classe média usualmente dividem responsabilidades. É raro encontrar um casal de bilionários – usualmente, é uma pessoa bilionária e outra que vivia uma vida normal antes de conhecer sua cara metade.

7. “Não ficamos ricos investindo em ações”
Se você quer tornar-se um bilionário e está começando, não apenas aposte no mercado de ações, alguns especialistas aconselham. Se você tiver um resultado excepcional, talvez se torne um bilionário investindo em ações – mas, mesmo assim, levará muito tempo para tal.

Steve Jobs, Bill Gates e Mark Zuckerberg, para citar apenas alguns dos muitos bilionários, fizeram suas fortunas em startups. Empreender é muito mais garantido para você se tornar um bilionário do que apenas investindo. 

8. “Você diz escapar, nós dizemos evitar”
Não há nenhuma confirmação de que os ultra ricos fogem de sua responsabilidade de pagar impostos mais do que um cidadão comum, mas incidentes envolvendo bilionários certamente ganham mais atenção da mídia.

Eles têm a oportunidade de pagar uma porcentagem menor de sua renda em impostos, já que a maior parte dela é proveniente de investimentos e, por isso, geralmente são taxados em menor proporção do que a classe média.

9. “Minha família me odeia, mas ama meu dinheiro”
Gina Rinehart, a mulher mais rica da Austrália, foi processada por seus próprios filhos, que alegaram que ela agiu de má fé quanto ao dinheiro da família, tentando adiar a data em que os beneficiários – seus quatro filhos – poderiam ter acesso ao montante.

Gina, que acha que um “bom salário é US$ 2 por mês”, realmente é uma figura odiável – mas casos assim são muito comuns entre bilionários, com discussões sobre heranças que duram anos. Por conta disso, muitos bilionários aderiram ao Giving Pledge para evitar que seus filhos continuem uma briga eterna pelo dinheiro. 

10. “Meu pai me ensinou tudo o que sei”
Embora, tradicionalmente, maioria dos bilionários deixa sua fortuna a seus filhos ou os envolve nos negócios de família, recentemente mais bilionários estão apostando em uma conduta diferente: a de doar sua herança. Warren Buffett, por exemplo, prometeu doar 99% de seu patrimônio.

Ainda assim, aproximadamente US$ 16 trilhões da fortuna global serão transferidos ao longo das três próximas décadas, principalmente a membros das famílias ricas. E 40% de tudo isso, US$ 6 bilhões, é de ativos que podem ser convertidos em dinheiro muito facilmente.