Conteúdo editorial apoiado por

Viciados em Disney: por que ex-executivos não conseguem se distanciar

A dor da separação pode ser tão grande que ameaça o bem-estar de um executivo, avalia psiquiatra

Bloomberg

Publicidade

A Walt Disney Company de repente está repleta de ex-executivos.

Vários regressaram ou pretendem regressar desde que o CEO Bob Iger, que também foi e voltou, retomou as suas funções há um ano. Nessa onda, até o ex-diretor financeiro Jay Rasulo procura um lugar no conselho de administração como parte de um grupo de investidores dissidentes liderado pelo bilionário Nelson Peltz.

Em seu livro, “A despedida do herói: o que acontece quando os CEOs se aposentam”, Jeffrey Sonnenfeld, professor da Universidade de Yale, narrou vários tipos de personalidade que acham difícil deixar. Incluem “generais” que se reformam com relutância e depois passam o tempo a planear um regresso.

A dor da separação pode ser tão grande que ameaça o bem-estar de um executivo, de acordo com Adrian Jacques Ambrose, psiquiatra da Universidade de Columbia que estuda essas mudanças na vida.

““Ao fazer a transição de uma posição de liderança poderosa para a aposentadoria, a potencial perda de identidade pode ser indutora de ansiedade e angustiante.””

— Adrian Jacques Ambrose, psiquiatra

Os executivos adeptos do “bumerangue” não são novidade – Steve Jobs voltou para a Apple e Howard Schultz fez o mesmo na Starbucks.

A Disney parece ter mais do que sua parte. Rasulo faz parte de um fundo ativista que inclui Isaac Perlmutter, ex-chefe da divisão Marvel da empresa, que foi demitido no início deste ano.

Desde que voltou a liderar a Disney em novembro de 2022, Iger trouxe para o grupo dois “tenentes” que já foram vistos como seus sucessores em potencial. Tom Staggs e Kevin Mayer estão agora aconselhando seu ex-chefe na busca de um parceiro estratégico para a rede ESPN da empresa.

É claro que há vantagens em trabalhar para a Disney. Os executivos assistem a estreias de filmes com estrelas de cinema. Eles ganham ingressos gratuitos para parques temáticos e a chance de influenciar a cultura pop globalmente.

CEO da Disney, Bob Iger, em coletiva de imprensa em Xangai, na China (REUTERS/Aly Song/Arquivo)

Depois, há a compensação: Iger e o seu antecessor Michael Eisner apareciam rotineiramente nas listas dos CEO mais bem pagos da América. Eisner também teve dificuldade em desistir e só renunciou após uma revolta na diretoria.

Muitos dos executivos que retornaram à órbita da Disney passaram a maior parte de suas carreiras na empresa, tornando a divisão ainda mais difícil.

A forma como eles saíram também pode ser um fator: a Disney disse que Perlmutter tem uma rixa pessoal com Iger, que tirou sua responsabilidade pelo estúdio de cinema da Marvel antes de finalmente lhe mostrar a porta. Um porta-voz de Perlmutter disse que está apoiando os dissidentes para maximizar o valor para os acionistas, e não por causa de rancor.

Rasulo foi considerado candidato a CEO até que Staggs foi elevado a diretor de operações em 2015. Ele então deixou a empresa. “A Disney que conheço e amo perdeu o rumo”, disse Rasulo em comunicado anunciando sua candidatura ao conselho esta semana. Ele não respondeu a um pedido de mais comentários.

Bill George, ex-CEO da fabricante de equipamentos médicos Medtronic, agora orienta executivos em transição na Harvard Business School e tenta explicar esse “vício”. “É difícil desistir quando você tem algo ótimo”, disse George em entrevista. “Você precisa encontrar outra coisa para fazer. Mas você tem que encontrar algo que realmente goste de fazer.”

© 2023 Bloomberg L.P.

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.