Conteúdo editorial apoiado por

Turistas ricos evitam hotéis mais caros de Paris à medida que Olimpíadas se aproximam

"Em 24 anos, nunca vi isso", disse a vice-diretora geral do Plaza Athénée, onde os hóspedes pagam € 2.500 (R$ 14.614) ou mais por quartos

Bloomberg

Escadaria do hotel Plaza Athénée, em Paris (Divulgação)
Escadaria do hotel Plaza Athénée, em Paris (Divulgação)

Publicidade

Paris está se mostrando um destino surpreendentemente impopular para turistas ricos antes das Olimpíadas deste verão no Hemisfério Norte, com visitantes preocupados com as dificuldades de circular pela cidade de carro.

A demanda por estadias em hotéis de luxo na capital francesa desabou antes dos Jogos, que começam em 26 de julho e vão até 11 de agosto, segundo a UMIH Prestige, que representa hotéis que cobram pelo menos € 800 (R$ 4.677) por diária em seus quartos.

As reservas para a última semana de junho e ao longo da maior parte de julho estão entre 20% e 50% menores em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com a organização.

Continua depois da publicidade

Diversifique investindo no Brasil e no exterior usando o mesmo App com o Investimento Global XP

“Em 24 anos, nunca vi isso”, disse Laurence Bloch, vice-diretora geral do Plaza Athénée na Avenue Montaigne, onde os hóspedes pagam € 2.500 (R$ 14.614) ou mais por quartos chiques a poucos passos das lojas da Chanel e da Christian Dior. As preocupações com o tráfego após a construção de instalações temporárias para as Olimpíadas levaram a ocupação a cair para 15% em algumas datas de julho, disse ela.

A segurança também foi reforçada ao longo do rio Sena antes da cerimônia de abertura em 26 de julho, ameaçando gerar ainda mais congestionamentos no trânsito.

Continua depois da publicidade

“Paris está atualmente enfrentando uma queda severa na demanda por quartos de hotel de luxo antes dos Jogos”, disse Christophe Laure, chefe da UMIH Prestige, que espera que a tendência melhore após 22 de julho.

Alguns visitantes estão optando por não ir a Paris por enquanto. “Em vez disso, eles estão escolhendo a Riviera Francesa ou outras cidades, como Londres, e virão a Paris em outro momento”, disse Laure.

O país também está passando por uma agitação política após um segundo turno de eleições legislativas antecipadas que não produziu uma maioria clara.

Continua depois da publicidade

O presidente Emmanuel Macron, que dissolveu a Assembleia Nacional da França e convocou a votação depois que seu partido foi derrotado nas eleições da União Europeia no mês passado, ainda não nomeou um novo primeiro-ministro após o segundo turno inconclusivo no último fim de semana.

Ainda assim, os turistas não parecem estar desanimados com a agitação política, e os visitantes não a citam como motivo para não visitar Paris, disseram Laure e Bloch. Ambos esperam uma recuperação acentuada nos negócios à medida que os Jogos avancem.

O Plaza Athénée, parte da Dorchester Collection, está mostrando taxas de ocupação de cerca de 85% a partir de 25 de julho, disse Bloch, e os patrocinadores corporativos reservaram metade dos quartos para a maior parte dos Jogos. Com o tráfego proibido na área durante parte do dia da cerimônia de abertura, o hotel dependerá de riquixás para buscar as bagagens dos hóspedes que chegam, disse ela.

Continua depois da publicidade

© 2024 Bloomberg L.P.