Conteúdo editorial apoiado por

Trabalhistas prometem criar regulador do futebol no Reino Unido, de olho em negócios

Partido pretende estabelecer freios e contrapesos sobre como os clubes de futebol são administrados

Bloomberg

Vista detalhada da bola Nike Merlin Winter antes da partida da Premier League entre Watford FC e AFC Bournemouth em Vicarage Road em 26 de outubro de 2019 em Watford, Reino Unido. (Catherine Ivill/Getty Images)
Vista detalhada da bola Nike Merlin Winter antes da partida da Premier League entre Watford FC e AFC Bournemouth em Vicarage Road em 26 de outubro de 2019 em Watford, Reino Unido. (Catherine Ivill/Getty Images)

Publicidade

O Partido Trabalhista prometeu criar um regulador do futebol e disse que poderá regular a venda de ingressos e revisar propostas para impor uma taxa de transferência aos clubes de futebol da Premier League caso vença as eleições gerais do próximo mês.
O partido pretende apresentar um projeto de lei de governança do futebol que estabeleça freios e contrapesos sobre como os clubes de futebol são administrados, em uma tentativa de garantir sua estabilidade financeira e proteger os torcedores, disse o líder trabalhista Keir Starmer a repórteres na sede do Bristol Rovers, no sudoeste da Inglaterra, nesta segunda-feira (17).

Embora o objetivo principal do projeto seja prevenir a formação de “super-ligas” reunindo os grandes clubes do país, o secretário de estado-sombra do Partido Trabalhista para digital, cultura, mídia e esporte, Thangam Debbonaire, disse à Bloomberg que o partido da oposição também está considerando regulamentar preços dos ingressos para garantir que não sejam muito caros. Propostas para introduzir uma taxa sobre transferências de jogadores por grandes clubes, com os recursos sendo redistribuídos para o futebol de base, também estão sendo analisadas, disse ela.

A lista de ações fora do radar e que pode multiplicar seu patrimônio

Continua depois da publicidade

As propostas trabalhistas são importantes porque o partido desfruta de uma ampla liderança nas pesquisas, faltando menos de três semanas para as eleições gerais de 4 de julho, o que significa que Starmer provavelmente será o próximo primeiro-ministro da Grã-Bretanha. Os conservadores do governo apresentaram um projeto de lei ao Parlamento em março para estabelecer um regulador do futebol, mas sua aprovação foi interrompida quando o primeiro-ministro Rishi Sunak surpreendeu grande parte de Westminster no mês passado ao convocar eleições antecipadas.

A versão trabalhista do projeto de lei “voltará aos primeiros princípios”, disse Debbonaire a repórteres em Bristol. “Ao dar aos torcedores uma maior influência na forma como os seus clubes são geridos e ao reforçar os testes dos proprietários e dirigentes, faremos da Inglaterra o melhor lugar do mundo para ser um torcedor de futebol.”

“Vou analisar tudo porque obviamente a venda de ingressos representa uma boa parte da receita”, disse Debbonaire quando questionada sobre a regulamentação da venda de ingressos. “Mas há uma série de maneiras que os clubes têm para gerar renda. Um clube como este [o Bristol] – não é o clube mais rico do mundo e quer poder investir em infraestrutura. Quer ser capaz de garantir que as instalações sejam boas para o futuro. Isso exige dinheiro, por isso vou analisar absolutamente tudo o que possa ajudar a aumentar a sustentabilidade financeira.”

Continua depois da publicidade

Embora os conservadores já tivessem prometido uma revisão da governação do futebol no seu manifesto eleitoral de 2019, a necessidade de uma regulamentação reforçada foi posta em evidência em 2021, quando seis clubes ingleses – Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United e Tottenham Hotspur juntaram-se a clubes da Europa continental para anunciar a criação de uma nova Superliga Europeia. Todos eles se retiraram poucos dias após o protesto do público e as ameaças do governo de bloqueá-lo.

“Sob minha supervisão, não haverá rupturas do futebol inglês no estilo da Superliga”, disse Starmer – ele próprio um torcedor do Arsenal – em um comunicado. “Temos sorte de ter clubes de futebol históricos no coração das comunidades de todo o nosso país. Mas muitas vezes, clubes e torcedores são decepcionados pelo ‘velho-oeste’ dentro da pirâmide do futebol. É por isso que legislaremos para o tão esperado regulador independente do futebol.”

A deputada conservadora do Parlamento, Tracey Crouch, presidiu uma revisão da governança do futebol, propondo no final de 2021 a criação de um regulador. Embora seu relatório incluísse propostas para uma taxa de transferência – que, segundo ele, poderia arrecadar £ 160 milhões (US$ 203 milhões) por ano para redistribuição aos clubes das ligas inferiores – a ideia não foi incluída no projeto de lei do governo.

Continua depois da publicidade

© 2024 Bloomberg L.P.