Conteúdo editorial apoiado por

Programa de depreciação acelerada pode resultar em capex adicional de R$20 bilhões

Relatório do BBI aponta que projeto de lei poderá beneficiar empresas como WEG, Tupy e Randon

Reuters

Publicidade

O Projeto de Lei (PL) da depreciação acelerada, que prevê incentivos à modernização do parque fabril brasileiro em 2024, pode resultar em investimento adicional de R$ 20 bilhões, estimam analistas do Bradesco BBI, conforme relatório enviado a clientes nesta terça-feira (2).

A proposta, encaminhada ao Congresso pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no último sábado (30), prevê, em um primeiro momento, R$ 3,4 bilhões para o programa, que busca incentivar a compra de máquinas, equipamentos, aparelhos e instrumentos novos.

O vice-presidente e ministro do MDIC, Geraldo Alckmin, disse no domingo (31) que o objetivo da iniciativa é “buscar produtividade, buscar competitividade, buscar eficiência, e, de outro lado, estimular investimentos”.

A equipe do Bradesco BBI disse que o projeto enviado tem modificações relevantes em comparação com o programa preliminar. Inicialmente, citou, a expectativa era depreciar totalmente o capex em um ano e não em dois anos como proposto agora.

“De acordo com nossas estimativas, o limite de R$ 3,4 bilhões em benefícios fiscais para o programa de depreciação acelerada em 2024 poderia resultar em R$ 20 bilhões em investimentos adicionais”, afirmaram Victor Mizusaki e equipe.

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin (Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil)

Eles acrescentam que, mesmo se esse programa resultar em um efeito de pré-compra, considerando a informação da Fiesp de que o setor industrial investiu cerca de R$ 120 bilhões em 2021, seria necessário elevar isso a R$ 456 bilhões em 7 a 10 anos para reduzir a disparidade de produtividade com os EUA.

A depreciação acelerada é um mecanismo que funciona como antecipação de receita para as empresas. Toda vez que adquire um bem de capital, a indústria pode abater seu valor nas declarações futuras de IRPJ e de CSLL.

Em condições normais, esse abatimento é feito em até 25 anos, conforme o bem vai se depreciando. Com a depreciação acelerada prevista no PL, o abatimento das máquinas adquiridas em 2024 poderá ser feito em apenas duas etapas – 50% no primeiro ano, 50% no segundo.

No relatório enviado a clientes nesta terça-feira, os analistas do Bradesco BBI estimam que, assumindo que o programa só estará ativo em 2024, Tupy e Randon deverão ser as ações mais beneficiadas.

Mizusaki e equipe também avaliam que WEG poderá se beneficiar do aumento da demanda por motores elétricos.

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.