Conteúdo editorial apoiado por

Países importadores de café ampliam compras, e Brasil é beneficiado

União Europeia, Estados Unidos e Japão vão adicionar 4,4 milhões de sacas às suas compras anuais

Alexandre Inacio

Publicidade

Os três maiores países importadores de café do mundo vão agregar 4,4 milhões de sacas às suas compras durante o ciclo 2023/24. Juntos, União Europeia, Estados Unidos e Japão vão importar 79,2 milhões de sacas, quase 6% a mais do que o volume adquirido na safra anterior.

De acordo com dados atualizados pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), as importações do bloco europeu devem crescer 5,7% e chegar a 47 milhões de sacas. Esse aumento se deve, em grande parte, à retomada dos embarques do Brasil.

Falta de contêineres e reagendamento de navios, entre outras dificuldades logísticas, atrapalharam os embarques brasileiros de café entre 2021 e 2022. Neste ano, o fluxo começou a voltar ao normal.

A demanda aquecida no mercado europeu é fundamental para o Brasil. Entre os dez maiores clientes do café brasileiro, quatro fazem parte da UE – Alemanha, Itália, Bélgica e Holanda. Juntos, esses países absorvem quase 30% das exportações brasileiras.

No caso dos Estados Unidos, maior país importador e consumidor de café do mundo, a demanda para a safra 2023/24 vai crescer 6,4%, para 25,4 milhões de sacas. As compras ainda não chegarão ao recorde de 27 milhões de sacas do ciclo 2021/22. Porém, já retornam ao patamar histórico das 25 milhões de sacas.

O mercado americano é o principal destino das exportações brasileiras. Pouco mais de 15% de tudo o que o Brasil exporta vai para os EUA.

Muito menor em termos de volume, mas extremamente atraente do ponto de vista de receita, o Japão é o terceiro maior importador mundial. As compras japonesas vão crescer 4,5% na safra 2023/24, para 6,8 milhões de sacas. Para o Brasil, o país asiático é o quarto maior em importância no volume exportado. Em receita, ocupa a segunda posição, atrás apenas da Itália.

Enquanto os japoneses pagaram este ano US$ 212,3 por saca, em média, as vendas para o mercado italiano saíram por US$ 216,6. Os valores são superiores aos US$ 208,5 pagos pelos importadores americanos.

Há duas semanas, a japonesa Sarutahiko Coffee pagou R$ 84,5 mil por uma saca de café brasileiro. Produzido pela Fazenda Rainha, em São Paulo, do grupo Orfeu Cafés, o valor foi o mais alto já pago pelo produto nacional.

Curiosidades do café

Estados Unidos, Brasil e Japão, nessa ordem, são os três maiores consumidores de café do mundo. Porém, em termos individuais, o cenário é um pouco diferente.

O país onde a população mais se consome café é a Finlândia. Lá, cada cidadão consome por ano 12 quilos de café. Já no Brasil, maior produtor e exportador do mundo, o consumo por habitante é de 6,3 quilos por ano.

Newsletter

IM Business Agro

Inscreva-se na newsletter e receba análises exclusivas sobre tudo que movimenta o universo do agronegócio, além de uma curadoria com o que de melhor aconteceu ao longo da semana

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.