Conteúdo editorial apoiado por

OpenAI e Axel Springer Ink fecham acordo para usar conteúdo de notícias no ChatGPT

Startup pagará para usar conteúdo de publicações em respostas do ChatGPT

Bloomberg

Publicidade

(Bloomberg) — O grupo de mídia Axel Springer SE fechou um acordo com a OpenAI, criadora do ChatGPT, permitindo que a empresa de tecnologia use o conteúdo publicado por seus veículos para desenvolver modelos de inteligência artificial e perguntas de usuários 

Em uma declaração conjunta, as companhias disseram que, pelo contrato anunciado nesta quarta-feira (13), a OpenAI pagará à Axel Springer por artigos e outros conteúdos de publicações como Politico, Business Insider, Bild e Die Welt. As condições financeiras, no entanto, não foram informadas. Mais cedo ainda hoje, o The Wall Street Journal havia antecipado o negócio.

A OpenAI usará os conteúdos do grupo alemão para gerar respostas a perguntas de usuários no ChatGPT. Essas respostas incluirão links para os textos completos em seus veículos “para transferência e maiores informações”, disseram as companhias. “Queremos explorar as oportunidades do jornalismo potencializadas pela IA — para trazer qualidade, relevância social e o modelo de negócio do jornalismo para um próximo nível”, disse o CEO da Axel Springer, Mathias Döpfner.

Esse não é o primeiro acordo entre OpenAI e editoras. Em julho, a startup fechou um negócio com a Associated Press para ter acesso a seus arquivos de notícias a fim de desenvolver seus modelos de IA. Naquele mesmo mês, a OpenAI assinou um contrato de 5 milhões de dólares (R$ 24,85) com a organização de suporte a jornais locais American Journalism Project para experimentar formas de benefício de veículos com IA.

Embora algumas editoras estejam procurando a estratégia certa na relação com a IA generativa, outros grupos temem que seus conteúdos estejam sendo usados para construir modelos de linguagem sem compensação adequada e outros veem riscos no uso da tecnologia, que é propensa ao erro, para produzir notícias. Algumas mídias europeias, como a Radio France, bloquearam as ferramentas do OpenAI de escavarem seus arquivos. O Le Figaro, na França, disse que nunca usaria inteligência artificial generativa para ajudar escritores.

No Brasil, a Editora Globo, dona dos jornais O Globo, Valor Econômico e Extra, anunciou recentemente o bloqueio aos escavadores da OpenAI para utilizar suas informações no modelo por trás do ChatGPT.