Conteúdo editorial apoiado por

Lance mínimo para terreno do estádio do Flamengo é R$ 102 milhões menor que avaliação

Edital determinou piso em R$ 138,2 milhões para Gasômetro, contra avaliação de R$ 240,5 milhões

Iuri Santos

Publicidade

A prefeitura do Rio de Janeiro publicou nesta terça-feira (9) o leilão de venda do terreno do Gasômetro, na região portuária da cidade, para construção de um estádio para o Flamengo. O lance mínimo para arrematar o terreno é de R$ 138,2 milhões – R$ 102 milhões a menos que a avaliação do valor do imóvel feita em 2023.

O terreno foi desapropriado do Fundo Porto Maravilha, gerido pela Caixa com o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) como cotista único, em 24 de junho. Como o edital prevê uma finalidade específica de transformação do terreno em um “equipamento esportivo com potencial de geração de fluxo mínimo de 70 mil pessoas”, o Flamengo deve concorrer sozinho.

Há anos, Paes conduzia negociações junto a Flamengo e Caixa para chegar a um consenso. A desapropriação foi uma saída às tentativas frustradas.

Continua depois da publicidade

Documentos publicados pelo Fundo Porto Maravilha mencionam um laudo da FIPE avaliando os mais de 86 mil metros quadrados do terreno a ser arrematado pelo Flamengo em R$ 240,5 milhões, já excluindo uma área desapropriada pela prefeitura em 2021. Em nota, a Caixa disse que “manifestações do banco ocorrerão em momentos oportunos”.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Uma outra fatia do Gasômetro foi arrendada à empresa de gás natural Naturgy (CEGR3) em 2013 para uso como sede. Embora a concessão tenha prazo de término para 2027 e garanta os direitos do arrendatário em caso de venda do terreno, a empresa já se mudou do local em 2022.

Continua depois da publicidade

“A Naturgy informa que o terreno do Gasômetro já foi entregue à Caixa Econômica Federal. Hoje a Companhia dispõe apenas de uma pequena parte do terreno”, disse a empresa em nota. A empresa de gás não comentou que destino daria à parte remanescente.

O leilão ocorre no dia 31 de julho, às 14h30.

Iuri Santos

Repórter de inovação e negócios no IM Business, do InfoMoney. Graduado em Jornalismo pela Unesp, já passou também pelo E-Investidor, do Estadão.