Conteúdo editorial apoiado por

Passatempo de Elon Musk é adormecer ouvindo podcasts sobre o fim da civilização

Durante conversa com Michael Milken, fundador da Tesla expressou temor de que tudo estaria perdido caso ocorresse um cataclismo

Christiaan Hetzner Fortune

Elon Musk, CEO da Tesla (Gonzalo Fuentes/Reuters)

Publicidade


Ouvir Elon Musk falar pode ser desanimador. Em sua visão, a civilização humana é como uma pequena vela tremulante cercada por uma vasta escuridão que, até o momento, sequer conseguiu construir uma colônia em Marte. Ele rumina constantemente a respeito da forte queda nas taxas de natalidade, chegando até mesmo a alertar que estão aumentando as chances de eclodir uma Terceira Guerra Mundial entre Oriente e Ocidente. Talvez, agora, possamos entender o motivo.

Durante uma conversa com Michael Milken, o fundador da SpaceX e CEO da Tesla (TSLA) discutiu extensivamente a singularidade da existência humana em um universo de 13,8 bilhões de anos que carece de qualquer evidência de vida em outros mundos.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Quando questionado sobre o que o mantinha acordado à noite, Musk expressou o temor de que tudo estaria perdido caso ocorresse um cataclismo antes de a humanidade conseguir se espalhar para os sistemas estelares vizinhos.
“Eu ouço podcasts sobre o declínio das civilizações para dormir, e isso pode ser parte do problema”, refletiu o autoproclamado fã de história, logo depois de encorajar todos na plateia a saírem e procriarem pelo menos três vezes. “Em algum momento, queremos transformar a ficção científica em realidade.”

Quando você é um dos três homens mais ricos do mundo, alguém que redefiniu totalmente a indústria automobilística, construiu o maior negócio espacial comercial do zero e hoje é dono de uma das empresas de mídia social mais influentes do mundo, poucos irão culpá-lo por pensar sobre o futuro da humanidade.

De fato, a estratégia da entrevista de Milken não foi questionar se seria legítimo demitir potencialmente dezenas de milhares de colaboradores da Tesla para cortar gastos e, em seguida, pedir aos acionistas que restaurassem seu pacote salarial de US$ 55 bilhões que havia sido anulado, valor esse superior ao que a empresa jamais gerou para eles em lucros.

Em vez disso, o ex-criminoso de colarinho branco convertido em filantropo e perdoado por Trump deixou Elon falar sobre Elon, para que todos os presentes pudessem testemunhar.

Com o empresário sentindo-se bem à vontade, a conversa girou em torno de todos os seus tópicos favoritos, como a importância da meritocracia e o quão sufocante e repressiva se tornou a burocracia governamental da Califórnia (o defensor da liberdade de expressão postou recentemente como estava “honrado” por conhecer a segunda mais alta autoridade da China em plataforma proibida no país).

No entanto, Musk expressou preocupação com o fato de as pessoas não terem motivos suficientes para se levantarem de manhã.

Embora para muitos religião possa ser uma motivação, para ele é um dia morrer em Marte – e não com o impacto, como ele brinca. “Tornar-se uma civilização espacial é uma dessas motivações”, disse. “Em algum momento, queremos transformar a ficção científica em realidade.”

‘Só esperando morrer’



Musk se referiu muitas vezes ao Paradoxo de Fermi, assim denominado em homenagem ao físico italiano que questionou que se existe vida em outras partes do universo, onde ela estaria?

“A constelação Starlink, da SpaceX, possui cerca de 6 mil satélites e nunca tivemos que desviar de um OVNI”, ponderou. “Nunca.”

Esta ideia de o minúsculo pontinho chamado Terra abrigar toda a vida conhecida e girar em uma imensidão vazia e escura parece alimentar sua obsessão singular com a queda nas taxas de natalidade. Recentemente, ele alertou que “os Estados Unidos estão em uma tendência rumo à extinção”, depois de a taxa de fertilidade do país ter caído para o seu nível mais baixo desde o início dos registros, na década de 1930.

Ele falou tanto sobre esse tema em dado momento que alguém na plateia se ofereceu para ser a próxima portadora de sua prole (ele já está fazendo sua parte, como costuma dizer, sendo pai de quase uma dúzia de filhos com diferentes mães).

Musk aproveitou a oportunidade para estimular todos os ouvintes a terem pelo menos três filhos, visto que a humanidade repousa precariamente sobre uma fina camada de gelo em um contexto mais amplo do universo. Culturas frequentemente morrem e não deixam legado porque não existem registros.
“Se não nos tornarmos uma civilização multiplanetária, estaremos simplesmente esperando morrer de uma lesão autoinfligida ou de algum desastre natural”, continuou. Muitas civilizações deixaram de existir há muito tempo. Em algum momento, nossa civilização também chegará ao seu fim.”

Fortune: ©.2024 Fortune Media IP Limited/Distribuído por The New York Times Licensing Group

Tópicos relacionados