Conteúdo editorial apoiado por

Mais pessoas querem deixar seus empregos agora do que durante a “Grande Demissão”

Estudo do LinkedIn e da Microsoft revela que percentual de trabalhadores que querem abandonar seu trabalho é maior que em 2021

Orianna Rosa Royle Fortune

Ilustração mostra funcionário recolhendo itens pessoais após ser demitido

Publicidade


O custo de vida disparou, a ameaça de demissões devido à inteligência artificial e ao excesso de contratações paira no ar, e contratos de trabalho flexíveis conquistados antes de os chefes começarem a exigir o retorno ao trabalho presencial hoje são raros.

Por isso, três anos depois do aumento recorde no número de trabalhadores pedindo demissão de seus empregos – cerca de 47 milhões de norte-americanos deixaram seus empregos apenas em 2021 – especialistas garantem aos empregadores que 2024 será o ano da “Grande Permanência”.

Até o professor que cunhou o termo “Grande Demissão” previu que a tendência desapareceria até o Réveillon de 2023.

No entanto, novos dados do LinkedIn e da Microsoft mostram que eles podem ter sido otimistas demais. Os dois gigantes da tecnologia entrevistaram 31 mil pessoas em 31 países e descobriram que o percentual de pessoas (46%) que desejam abandonar seus empregos no próximo ano é, na verdade, superior a 2021 (40%).

Para agravar o alerta, os empregadores norte-americanos devem enfrentar uma situação desafiadora: aproximadamente 85% dos profissionais nos EUA estão considerando mudar de emprego este ano. Enquanto isso, o LinkedIn já notou um aumento de 14% nas candidaturas a empregos por função desde o quarto trimestre.

Embora pesquisas anteriores tenham sugerido que os chefes estão de volta ao comando e estão usando seu poder renovado para limitar iniciativas que priorizam os colaboradores, como o trabalho remoto, o estudo do LinkedIn e da Microsoft revela que eles ainda não devem ficar muito à vontade. E eles sabem disso.

Nove em cada dez organizações em todo o mundo estão preocupadas com a retenção de colaboradores, e metade dos gestores de contratações na Europa preveem um aumento na rotatividade em 2024. Isto significa que manter os trabalhadores felizes pode voltar a ser uma prioridade para os gestores.

Trabalhadores se sentem esgotados e desvalorizados



O LinkedIn e a Microsoft informaram à Fortune que três razões por trás do aumento repentino no número de trabalhadores que desejam sair são o burnout, a falta de oportunidades de aprendizagem e a inteligência artificial.

O Índice de Confiança da Força de Trabalho do LinkedIn revelou que nos EUA, 59% dos colaboradores que estão ativamente procurando emprego concordam que se sentem presos em seu trabalho (em comparação com 35% daqueles que não estão procurando emprego) e 51% se sentem esgotados em seu trabalho (em comparação com 37%).

O Índice de Tendências de Trabalho da Microsoft também demonstrou que 68% das pessoas em todo o mundo lutam com o ritmo e o volume de trabalho e 46% se sentem esgotadas.

“Embora seja fácil confundir baixos níveis de desgaste com contentamento, na realidade, muitos colaboradores se sentem presos e desejam poder fazer algo novo, mas (ainda) não deram o passo nesse sentido”, escreveu recentemente o COO do LinkedIn, Daniel Shapero, em postagem no blog sobre a preparação para A Grande Reorganização 2.0.

Isso pode explicar por que o LinkedIn descobriu que oportunidades de aprendizagem são vistas como uma das principais estratégias de retenção.

O Relatório de Aprendizagem no Local de Trabalho de 2024 da plataforma de networking mostrou que, globalmente, as empresas que têm fortes culturas de aprendizagem desfrutam de taxas de retenção mais elevadas, com mais mobilidade interna e pessoas assumindo funções de gestão.

Além disso, com a IA ameaçando deslocar os trabalhadores, eles estão dando mais importância à aprendizagem do que nunca – e se não obtiverem ajuda para aperfeiçoar suas competências em IA com o seu atual empregador, poderão começar a procurar isso em outro lugar.

A pesquisa do LinkedIn mostra que as pessoas querem aprender como usar a IA em seu trabalho, com dois terços insistindo que isso os ajudará a fazer progressão na carreira.

Continua depois da publicidade

A grama nem sempre é mais verde do outro lado da cerca



Como observa Shapero, a história frequentemente se repete, e períodos de baixa atração geralmente são seguidos por outros de altos níveis de atrito.

Uma razão simples para a existência deste padrão pode ser que a grama nem sempre é mais verde do outro lado da cerca.

Segundo uma pesquisa do Conference Board, aqueles que mudaram de emprego em 2022 agora relatam estar menos satisfeitos no trabalho do que aqueles que ficaram onde estavam.

Enquanto isso, a plataforma de RH Paychex entrevistou colaboradores que pediram demissão durante a Grande Demissão e descobriu que 80% se arrependeram.

No final das contas, dinheiro não pode consertar tudo. Ambos os estudos destacaram que aqueles que foram atraídos por grandes aumentos salariais durante a pandemia podem não ter levado em consideração outros aspectos importantes do trabalho.

Essencialmente, não é possível colocar uma etiqueta de preço no equilíbrio entre vida pessoal e profissional, satisfação no trabalho e boa companhia.

Fortune: ©.2024 Fortune Media IP Limited/Distribuído por The New York Times Licensing GroupFortune: ©.2024 Fortune Media IP Limited/Distribuído por The New York Times Licensing Group