Conteúdo editorial apoiado por

Cartazes, empurrões e torcida: o clima em NY durante o julgamento de Trump

Apoiadores e críticos do ex-presidente norte-americano trocaram farpas e protestaram na tarde desta quinta-feira (30), antes da condenação

Nate Schweber, Anusha Bayya and Olivia Bensimon The New York Times

Apoiadores reagem ao fato de o ex-presidente Donald Trump ser considerado culpado de todas as acusações em seu julgamento criminal fora do Tribunal Criminal de Manhattan, em Nova York, na quinta-feira, 30 de maio de 2024. Trump foi condenado por falsificar registros para encobrir um escândalo sexual que ameaçou seu ascensão à Casa Branca em 2016, parte de um esquema que os promotores descreveram como uma fraude para o povo americano. Ele é o primeiro presidente americano a ser declarado criminoso. (Crédito: Adam Gray/The New York Times)
Apoiadores reagem ao fato de o ex-presidente Donald Trump ser considerado culpado de todas as acusações em seu julgamento criminal fora do Tribunal Criminal de Manhattan, em Nova York, na quinta-feira, 30 de maio de 2024. Trump foi condenado por falsificar registros para encobrir um escândalo sexual que ameaçou seu ascensão à Casa Branca em 2016, parte de um esquema que os promotores descreveram como uma fraude para o povo americano. Ele é o primeiro presidente americano a ser declarado criminoso. (Crédito: Adam Gray/The New York Times)

Publicidade

O “Naked Cowboy” costuma pendurar seu chapéu na Times Square, em Nova York, mas abriu uma exceção nesta quinta-feira (30) para Donald Trump.

O artista, menos conhecido como Robert Burck, fez uma breve aparição nesta tarde, fora do tribunal, onde um júri deliberou sobre 34 acusações criminais contra o ex-presidente – considerado culpado em um caso de suborno a uma ex-atriz pornô.

Com seu traje característico – chapéu, botas e um pouco mais – ele cantou uma música pró-Trump em uma guitarra coberta de adesivos.

Continua depois da publicidade

“Acusá-lo, condená-lo, jogá-lo na prisão, não importa o que você faça, Trump ainda prevalecerá”, cantou ele no Collect Pond Park, seu verso pontuado por um giro e um tremor nas costas.

O ex-presidente Donald Trump levanta o punho enquanto caminha para o tribunal depois que o júri fez uma pergunta ao juiz em meio às deliberações de seu julgamento criminal na Suprema Corte do Estado de Nova York, em Manhattan, quarta-feira, 29 de maio de 2024. (Crédito: Doug Mills/The New York Times)

“Esta é a América; deveria ser divertido”, disse Burck, 53 anos. “É um carnaval”.

Burck disse que um espetáculo paralelo era apropriado, apesar da solenidade dos processos judiciais envolvendo 34 crimes, porque o ex-presidente é um”grande artista” – melhor, admitiu ele, do que ele mesmo.

Continua depois da publicidade

Manifestações pró e anti-Trump

Nas mais de seis semanas desde o início do julgamento, o Collect Pond Park atraiu apoiadores e críticos do ex-presidente, com bandeiras “Make America Great Again” misturadas com cartazes “Lock Him Up” em disputas que são interrompidas por policiais que tentaram limitar as alterações físicas.

Mesmo com a multidão um pouco mais dispersa na quinta-feira, ainda houve confrontos – geralmente quando um crítico do ex-presidente visitava o lado pró-Trump do parque. Uma manifestante anti-Trump teve seu cartaz agarrado e devolvido, desencadeando uma disputa de empurrões que foi interrompida por policiais. No início da tarde, várias pessoas foram escoltadas para fora do parque pela polícia ou encaminhadas para o lado, mais de acordo com suas políticas pessoais.

Pessoas reagem a condenação do ex-presidente Donald Trump por encobrir um escândalo sexual que ameaçou seu ascensão à Casa Branca em 2016, parte de um esquema que os promotores descreveram como uma fraude para o povo americano. Ele é o primeiro presidente americano a ser declarado criminoso. (Crédito: Todd Heisler/The New York Times)

John McGuigan, um participante frequente com uma faixa arco-íris “Trump Pride”, enfrentou Jean Barish, uma advogada aposentada que divide seu tempo entre o Upper East Side e São Francisco, sobre temas como direitos dos homossexuais, aborto e remoção de estátuas de controversos históricos. figuras. A troca chamou a atenção de outros participantes, alguns dos quais pareciam empenhados em incitar o conflito.

Continua depois da publicidade

Posteriormente, Barish – que disse ter acompanhado o julgamento pela TV, mas “queria ver o circo” com seus próprios olhos – disse que a atmosfera a lembrava da Universidade da Califórnia, Berkeley, na década de 1960, e das divisões sobre a guerra e o comunismo.

Ela se animou, porém, com uma briga verbal que evoluiu de gritos para um discurso civilizado.

“No final da conversa, embora tenhamos concordado em discordar sobre Biden versus Trump, concordamos em nos comunicar como humanos”, disse ela.

Continua depois da publicidade

Um apoiador de Trump fez sua parte para espalhar uma mensagem de união por meio da música – especificamente do techno.

Kevin Diamond, que chama sua mudança para a produção musical de um “pivô de carreira liderado por Deus”, estava andando pelo parque na manhã dest quinta-feira cantando sua nova música, “We The People”.

Apoiadoras do ex-presidente Donald Trump rezam enquanto pessoas esperam por um veredicto do lado de fora do Tribunal Criminal de Manhattan, em Nova York, na quinta-feira, 30 de maio de 2024. Os jurados chegaram a um veredicto no julgamento criminal de Trump, que enfrenta 34 acusações criminais. (Crédito: Adam Gray/The New York Times)

“Estou apenas tentando unir as pessoas e nos lembrar que o que queremos é um governo que trabalhe para nós e cuide de nossas necessidades”, disse Diamond, que usava um chapéu vermelho de Trump. “Acho que é um bom meio que transcende todas as fronteiras.”

Por mais animada que a multidão estivesse nesta tarde, era um pouco escassa para o gosto de Burck. O Naked Cowboy é uma atração da Times Square, e o céu ensolarado significava que havia dinheiro a ser ganho.

Os turistas que lotam a Times Square ganham entre US$ 80 e US$ 100 por hora, disse ele, então no meio da manhã o Naked Cowboy já havia levado seu show de volta para o norte, para Crossroads of the World.

NYT: ©.2024 The New York Times Company