Conteúdo editorial apoiado por

Ferrari se divide entre o “rugido” e a eletricidade – porque clientes querem os dois

“Alguns possíveis clientes me disseram que só se juntariam à comunidade Ferrari se pudessem comprar um carro elétrico”, disse o CEO. Outros dizem que “nunca comprariam uma Ferrari elétrica”

Bloomberg

Ferrari SF90 Stradale (Divulgação/Ferrari)
Ferrari SF90 Stradale (Divulgação/Ferrari)

Publicidade

A Ferrari não desistirá do motor à combustão nos próximos anos, disse o CEO da fabricante de supercarros, já que a empresa continua comprometida com uma linha completa de motores para uma ampla gama de compradores.

Mesmo enquanto a Ferrari corre para revelar seu primeiro modelo totalmente elétrico no final do próximo ano, o CEO Benedetto Vigna seguirá em frente com sua estratégia de inovar com novas tecnologias, permanecendo aberto a uma série de soluções, disse ele em entrevista ao podcast em italiano da Bloomberg.

É um equilíbrio delicado para a montadora, já que os compradores mais jovens preferem a eletricidade. Mas muitos clientes mais antigos relutam em renunciar ao rugido característico da Ferrari.

Continua depois da publicidade

“Alguns possíveis clientes me disseram que só se juntariam à comunidade Ferrari se pudessem comprar um carro elétrico”, disse o CEO. Outros dizem que “nunca comprariam uma Ferrari elétrica”.

Os comentários de Vigna surgem num momento desafiador para o setor de automóveis de altíssimo padrão, à medida que os fabricantes lutam para reduzir as emissões numa altura em que a procura de veículos eléctricos está abrandando e os governos estão reduzindo os subsídios.

O grupo Mercedes-Benz interrompeu o desenvolvimento de bases separadas para sedãs elétricos para economizar dinheiro e planeja vender carros movidos a gasolina até a década de 2030. O CEO da Lamborghini disse acreditar que ainda é muito cedo para a empresa tornar seus carros esportivos de alto desempenho totalmente elétricos.

Continua depois da publicidade

Mas, em outros lugares, a concorrência nos veículos eléctricos está aumentando. A chinesa BYD revelou em fevereiro um veículo elétrico de alto desempenho que custa 1,68 milhão de yuans (US$ 232 mil) que, pelo menos em teoria, desafiaria Ferrari e Lamborghini.

Vigna disse que prefere ouvir os clientes em vez de se concentrar em uma única tecnologia, o que combina bem com o fato de que os modelos híbridos representaram cerca de metade das remessas de carros novos da empresa no último trimestre.

“A Ferrari precisa ser capaz de oferecer aos clientes uma experiência de direção única, independentemente do tipo de propulsão do motor”, disse Vigna. Isso significa opções tradicionais, híbridas e totalmente elétricas, disse ele.

Continua depois da publicidade

Ainda assim, o CEO tem sido a força motriz por trás da mudança gradual para a energia da bateria, e uma fábrica dedicada à construção de carros híbridos e elétricos estará pronta ainda esta semana.

“É apenas uma questão de ouvir vozes diferentes para ter uma visão completa”, disse Vigna.

© 2024 Bloomberg L.P.