Conteúdo editorial apoiado por

Espaçolaser traça plano para crescimento com emissão de R$ 733 milhões em debêntures

Companhia atraiu bancos públicos para oferta de refinanciamento de sua dívida; ideia é voltar a investir no negócio

Felipe Mendes

Publicidade

A Espaçolaser, empresa de estética e beleza, anunciou na noite da última segunda-feira (19) a aprovação de duas emissões de debêntures, não conversíveis em ações, no valor total de R$ 733 milhões. O objetivo da empreitada é refinanciar as dívidas da empresa e realizar o resgate antecipado das debêntures anteriores. Com o alongamento do endividamento, a Espaçolaser pretende usar o dinheiro em caixa para voltar a investir em sistemas de tecnologia e na infraestrutura de suas lojas.

“A gente está primeiro liquidando a dívida atual que era de três anos. Agora, ela passará de três para cinco anos. E estamos fazendo um alongamento porque cabe melhor dentro do fluxo de geração de caixa da empresa, mas também porque a gente precisa voltar a investir no negócio”, diz Magali Leite, diretora de relações com investidores ao IM Business. “A gente tem previsto um plano de investimento voltado à atualização do nosso parque tecnológico, com investimento em novos softwares e tecnologias; e investimento em toda a estrutura de ativo fixo do negócio, como equipamentos que ocupam as lojas e unidades que precisem eventualmente de um retrofit.”

As debêntures, destinadas exclusivamente a investidores profissionais, terão remuneração de CDI mais 4,50% ao ano, com pagamento trimestral. A empresa fez seu processo de IPO em fevereiro de 2021, dando vazão a um plano que previa a destinação dos recursos captados para a transformação de algumas franquias em lojas próprias e o aumento de sua penetração no mercado internacional – tudo isso em meio a um cenário de fechamento parcial de unidades por conta da pandemia de Covid-19. Com a chegada de Paulo Camargo, ex-McDonald’s Brasil, em 2022, a Espaçolaser tem buscado um caminho para a reestruturação do negócio com foco na expansão por meio de franquias.

Nos nove primeiros meses de 2023, a receita líquida da empresa cresceu 9% frente a igual período do ano anterior, para R$ 738 milhões. O lucro bruto, por sua vez, avançou 13,5% na mesma base de comparação, para R$ 300,5 milhões. A alavancagem do endividamento da empresa estava em 2,49 vezes ao fim de setembro de 2023, redução de 0,9 ponto percentual em relação a um ano antes.

“A primeira fase foi uma mudança profunda na estrutura entre custo e despesa do negócio, com muita renegociação e trabalho de otimização dos gastos da companhia. A gente entendeu que apesar de a empresa estar com uma geração de caixa muito forte, convertendo um Ebitda alto, ela estava com uma dívida incompatível no prazo e na estrutura com o que se gera de rentabilidade. Então, reunimos o sindicato, que já era credor da empresa, para negociar e conseguimos trazer dois novos credores, a Caixa e o Banco do Brasil. A gente conseguiu também mais um ano de carência para o pagamento principal e uma série de melhorias. Foi um processo bem orquestrado”, afirma Magali.

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.