Conteúdo editorial apoiado por

Equatorial vende transmissora de energia no Pará para fundo canadense CDPQ

Valor total do negócio considera a assunção pelo CDPQ de R$ 350 milhões em dívida líquida e mais R$ 840 milhões de equity

Reuters

Linhas de transmissão de energia em Santo Antônio do Jardim (REUTERS/Paulo Whitaker)
Linhas de transmissão de energia em Santo Antônio do Jardim (REUTERS/Paulo Whitaker)

Publicidade

A Equatorial (EQTL3) anunciou nesta terça-feira (9) a venda de uma de suas transmissoras de energia para a Verene Energia, uma plataforma de negócios em energia do fundo canadense CDPQ no Brasil, por um enterprise value de R$ 1,19 bilhão.

A operação envolve a alienação da Equatorial Transmissora 7 SPE, que detém 124 km de linhas de transmissão e subestações no Pará. O valor total do negócio considera a assunção pelo CDPQ de R$ 350 milhões em dívida líquida e mais R$ 840 milhões de equity.

“Construída em 2020, com um projeto sólido e um histórico operacional comprovado, a SPE 7 está bem posicionada para continuar desempenhando um papel fundamental no atendimento aos padrões de baixa emissão de carbono da rede elétrica nacional do Brasil”, disse o CDPQ, em comunicado.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos 

O ativo marca a terceira aquisição do fundo canadense no setor de transmissão de energia na América Latina em dois anos, e reafirma o interesse do grupo em um segmento que apresenta oportunidades para “desbloquear o potencial do projeto de energias renováveis”, diz o comunicado.

Já a Equatorial afirmou que a venda da transmissora não representa a sua saída do segmento de transmissão, mas “tão somente permite avançar na aceleração da sua trajetória de desalavancagem, adequando sua estrutura de capital a eventuais oportunidades nas avenidas de geração de valor em que atua”.

Continua depois da publicidade

Tradicional no setor de energia elétrica, a companhia foi a única a apresentar proposta para se tornar a acionista de referência da empresa de saneamento Sabesp (SBSP3). A Equatorial ofertou R$ 6,9 bilhões por uma participação de 15% na companhia paulista, da qual passará a ser um investidor estratégico.

O fechamento do negócio entre Equatorial e CDPQ está sujeito a aprovação pela agência reguladora Aneel e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O fundo canadense estima a conclusão da operação em dezembro.