Conteúdo editorial apoiado por

BASF escolhe novo CEO em meio a pressão de custos no setor

Kamieth, que comanda as operações da companhia na Ásia assumirá em abril

Bloomberg

Publicidade

A alemã BASF anunciou nesta quarta-feira (19) uma troca em seu comando executivo, em um momento em que a maior fabricante de produtos químicos da Europa está tomando medidas para equilibrar seus custos após uma forte pressão por conta do preço da energia no continente.

O atual chefe da operação do grupo na Ásia, Markus Kamieth, de 53 anos, assumirá como CEO em abril de 2024 no lugar de Martin Brudermüller, executivo de 62 anos, que está no cargo desde 2018.

A BASF tem redobrado a sua aposta na redução de custos operacionais e no corte de empregos após seus lucros terem diminuído na sequência da crise energética da Alemanha, depois de a Rússia ter cortado o fornecimento de gás para a União Europeia como retaliação pelas sanções econômicas sofridas.

Kamieth, químico, trabalha na BASF desde 1999 e dirige a região da Ásia há três anos. Foi neste mercado que Brudermüller mais se concentrou nos últimos anos, representado pelo investimento de 10 bilhões de euros na construção de uma fábrica em Zhanjiang, na China.

Sede da BASF, em Ludwigshafen am Rhein, Alemanha (Bloomberg)

O agora novo CEO terá que voltar seu olhar para a Europa e resolver questões que pesam sobre a BASF em sua região de origem, disse Oliver Schwarz, analista da Warburg.

“A BASF tem custos de energia e matérias-primas consideravelmente mais elevados na Europa do que os concorrentes”, disse Schwarz. “Kamieth terá de trabalhar para aumentar a rentabilidade desde o início, e isso não será fácil, uma vez que as desvantagens estruturais na Europa não irão desaparecer.”

A fabricante de produtos agrícolas, revestimentos e plásticos já começou a cortar custos. No início deste mês, a BASF delineou planos para criar duas divisões numa tentativa de aumentar os lucros. A empresa também está a reduzir os investimentos em 4 bilhões de euros ao longo dos próximos quatro anos para fazer face aos ventos contrários. 

Os produtores químicos da Alemanha veem a indústria ainda atolada numa recessão profunda, com uma recuperação improvável de se concretizar antes de 2025, afirmou a associação da indústria química VCI na semana passada. De acordo com uma pesquisa, quase um em cada 10 entrevistados disse que estava fechando permanentemente processos de produção devido às perspectivas desafiadoras da indústria no país.

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tópicos relacionados